Anna Carolina Fernandes ganha apoio do namorado Diego Guimarães durante tratamento

A história de Anna Carolina Fernandes poderia virar livro ou filme. Aos 30 anos, ela superou o maior desafio da vida e tornou-se exemplo para muitas outras pessoas que enfrentam o câncer. Inspiração, a campista passou a contar sua história ao ponto de virar um projeto, denominado de “Fevereiro Rosa”, em alusão à campanha mundial “Outubro Rosa” para a prevenção de câncer de mama.

Diagnosticada com câncer de mama e com metástase no fígado e na coluna em fevereiro de 2014, Anna mostrou força para enfrentar o pânico, o medo e a doença. “Encarei da melhor forma possível. Coloquei na cabeça que o corpo era meu, que o intruso era o câncer e que eu ia dar um jeito de expulsá-lo. Eu sabia o quanto minha cabeça iria influenciar no meu tratamento”, afirmou ela, que, menos de um ano depois, está praticamente curada. “Não tenho mais nada na mama, e nem precisei passar por cirurgia. Na coluna e fígado a doença está controlada. Meu médico diz que já melhorei uns 80%”.

A vontade de viver deu força a Anna para superar os momentos mais difíceis e a fez ser admirada por muitas pessoas que nem a conhecem. O “Fevereiro Rosa” surgiu ao acaso, com a repercussão do seu caso nas redes sociais. “Eu fiz uma conta no Instagram para dar notícias aos meus amigos e familiares, mas acabou ganhando uma proporção enorme, muito maior do que eu imaginava. E eu passei a ser um exemplo sem tentar ser um. Muita gente começou a me seguir, mandar emails, pedir ajuda para eu conversar com pessoas queridas que estavam depressivas por estarem doentes. Criei com um objetivo e no final acabei ajudando pessoas e alertando outras em relação à prevenção do câncer, principalmente o de mama”, comentou a campista, que conta com mais de 1.800 seguidores e teve o apoio da atriz Carolina Dieckmann na campanha do “Fevereiro Rosa”.

A doença deixou a Anna mais forte e a fez enxergar a vida de uma forma diferente. “O que diferencia as pessoas é a forma como cada uma encara os problemas. Tem gente que tem um problemão e se tranca em um quarto, achando que é o fim e acaba fazendo com que a depressão seja mais um adversário. Outras pessoas têm um problema mínimo e transformam aquilo em algo gigante, dando uma importância maior do que realmente tem. E outras têm seus problemas e buscam resolve-los para não virarem reféns deles. A atitude que revela o tamanho do problema. Na verdade, até esqueço que estou doente e só lembro às vezes. Confiar em Deus tornou tudo mais fácil”, encerrou.

Texto produzido em: 26/11/2014