Em recente visita técnica à cidade do Rio de Janeiro, acompanhando os alunos do primeiro e segundo período do curso de Arquitetura e Urbanismo do IIF – Instituto Federal Fluminense, conferimos, entre outras atrações culturais da cidade Maravilhosa, o recém-inaugurado Museu do Amanhã. Localizado na Praça Mauá, de frente para a majestosa Baía de Guanabara, na Zona Portuária, e cercado por uma região de inestimável importância histórica, sua monumental imponência arquitetônica encanta os visitantes e turistas.
As imensas e cansativas filas externas já demonstram o interesse e curiosidade que o Museu do Amanhã vem despertando. E, ao entrar no Museu, projetado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, vemos que sua arquitetura interna é tão bela e interessante quanto a externa. Sua cor predominante branca nos acolhe, fazendo com que nossa atenção fique voltada para as atrações apresentadas pelo Museu, afirmando a ideia de que o visitante faz parte do contexto.
Acredito que a principal atração do Museu seja sua interatividade, ambientes onde crianças, jovens, adultos e idosos dividem espaços compartilhando momentos culturais. Em cada nova descoberta somos levados a questionar e refletirmos sobre nossas atitudes e influências no amanhã e suas infinitas possibilidades. Experimentações e sensações diversas despertam para temas atuais como a preservação do meio ambiente, multiculturalidade, sustentabilidade, desigualdades sociais, entre outros. Fica a dica!

Texto: 20/04/2016