Aqui em nossa cidade, logo nos primeiros dias do mês de junho, aconteceu um torneio de pesca no Rio Paraíba que reuniu mais de 40 barcos e mais de 80 pescadores. Como evento esportivo, só merece aplausos e torcida para que outros aconteçam em breve. Porém, analisando sob outro ângulo e considerando o que o evento nos mostrou, temos que o nosso Paraíba foi predado até a exaustão.
Explico minha posição: É que, com mais de 80 pescadores hábeis e com material de pesca apropriado, o número de peixes pescados (e depois devidamente devolvidos ao seu habitat) foi ínfimo, irrisório, nos dando a certeza que o rio está “esvaziado” vez que foi predado até o limite e que não dá mais para prosseguir desta maneira, sob pena de nossos filhos não terem nada para pescar nos anos vindouros.
Na nossa região, não só o Paraíba mas todos os demais rios, sofre com a pesca indiscriminada e com pesca de rede e tarrafas que matam tudo que estiver pela frente. Indispensável uma mudança de hábitos e que só se pratique a pesca esportiva, ou seja, o pescar e soltar o peixe, não importando sua espécie ou tamanho. Ressalvada a pesca de subsistência, o verdadeiro pescador tem uma grande emoção quando pega um bom peixe e uma emoção ainda maior no momento de soltá-lo. Esta é a atual e verdadeira emoção da pescaria.
A pesca esportiva, além de ecologicamente correta, pode gerar ganhos e muitos empregos quando devidamente explorada. Exemplo é a região Norte e Centro-Oeste do Brasil, onde inúmeras pousadas exclusivamente dedicadas a pesca em rios ainda não predados produzem ganhos para os proprietários, tributos para o Estado e muitos empregos (cozinheiros, garçons, guias de pesca, arrumadeiras, etc.). Na vizinha Argentina a província de Corrientes tem no turismo da pesca, com clientes do mundo todo, uma receita extraordinária e lá a preservação é fator número um. Pode-se pescar mas é obrigatório soltar. Peixe nenhum pode ser morto e a fiscalização é inflexível. É tolerância zero.
Excluída a pesca de subsistência, não podemos mais admitir pescaria que não seja pesca esportiva, pescar e soltar. Redes e tarrafas no Paraíba não podem mais ser admitidas sob nenhuma hipótese. Se você é pescador e ainda não se conscientizou que a única modalidade de pesca possível atualmente é a pesca esportiva, acorde. Faça a sua mudança de hábito em prol das próximas gerações.

Texto: 20/06/2017