O período da menopausa representa uma grande mudança na vida da mulher, que deve prestar atenção às várias transformações pela qual seu corpo está passando. É fundamental que se observe com cuidado as questões cardiovasculares, já que após esse período, os riscos aumentam. Para falar sobre o assunto, conversamos com a médica cardiologista Dra. Laura Duncan. 
Mania de Saúde – Porque após a menopausa a mulher precisa tomar mais cuidado com a saúde do coração?
Dra. Laura Duncan –
O organismo da mulher tem uma grande produção de estrogênio. Existem estudos que apontam que esse hormônio é um importante fator de proteção cardiovascular. Obviamente, é preciso que sempre se tome cuidado, porque outros aspectos como a obesidade e o aumento de colesterol, podem causar alguma alteração cardiovascular. Mas, após a menopausa, a mulher perde esse fator de proteção, sendo necessária então uma atenção ainda maior à sua saúde, realizando atividades físicas, verificando as taxas de colesterol e a glicemia, já que a diabetes também é um fator prejudicial. Realizar ainda um check-up anual e entrar em contato com o ginecologista para ver se há a necessidade de fazer uma reposição hormonal (embora a reposição não reduza o risco cardiovascular). 
Mania de Saúde – Os sintomas cardiovasculares na mulher são diferentes do homem?
Dra. Laura Duncan –
Sim. Ela pode sofrer um infarto sem ter dores no peito, sentir apenas um cansaço. É preciso ficar de olho nos mínimos detalhes, como quando a mulher começa a sentir um cansaço que não sentia antes. Por exemplo, essa mulher estava acostumada a andar dois quarteirões até o trabalho e, de repente, ela começa a se sentir cansada caminhando um. Ou então se ela sente dor no braço, queimação, dormência. A mulher tem mais chances de ter um evento isquêmico sem ter uma placa na coronária, que é a chamada síndrome do coração partido. É quando ela tem um evento emocional, ou de stress súbito e sente uma dor no peito. Aí vai para a emergência, os exames mostram alterações, mas quando vai fazer um exame invasivo, a coronária não tem nenhuma obstrução. Mas isso pode causar disfunção cardíaca e é uma doença com mais prevalência no sexo feminino após a menopausa e é preciso ficar de olho.
Mania de Saúde – Deve-se então evitar passar por situações de stress, certo?
Dra. Laura Duncan –
Todo mundo deve, na verdade. Já foi comprovado que o stress provoca alterações em diversos sistemas do organismo, mas na mulher tem esse agravante. O mais importante é ela fazer o acompanhamento com o cardiologista, para evitar que ocorra algo desse tipo. O cardiologista vai fazer uma anamnese, ver como é a rotina dela. Faz ainda exames de sangue para ver como está o colesterol, se pode mudar algo na alimentação, na atividade física. E se, por exemplo, ela já faz tudo isso e continua com alteração na taxa de colesterol, pode ser necessário começar uma medicação. 
Mania de Saúde – Quando se fala em cuidados após a menopausa, isso independe de com qual idade ela ocorra?
Dra. Laura Duncan –
Exato. Até entrar na menopausa, a mulher tem menos riscos de uma isquemia do que o homem. Estudos mostram que a taxa de internação por infarto é maior no sexo masculino do que no feminino, até a mulher entrar na menopausa. Depois disso, as taxas igualam. Não importa em que idade ela entre na menopausa, porque isso é uma questão hormonal. É importante destacar que deve-se prestar atenção a qualquer dor no peito, mesmo que não pareça nada demais, procure uma emergência. Fazer ainda o acompanhamento médico regular, independente da idade, praticar atividades físicas, sendo que, depois de determinada idade, é preciso a orientação do cardiologista. E ainda, mulheres que têm histórico de problemas cardiovasculares na família, devem fazer um acompanhamento mais detalhado em qualquer idade. 

Texto produzido em 17/06/2019