* Por Andréa Muniz

“Pois as distâncias não existem para a recordação; e somente o esquecimento é um abismo que nem a voz nem o olho podem atravessar.”- Khalil Gibran

A decoração natalina que se alastra pela cidade é o prenuncio que mais um ano chegou ao fim, e é geralmente nessa época que paramos para fazer um balanço de nossas vidas pessoal e/ou profissional.

Há os que ficam tristes, e os que ficam alegres, depende de como veem o copo, meio cheio ou meio vazio. Parece simples, né? E, é! 
O melhor dessa história é que, você pode decidir entre dar foco ao que é positivo; ou, dar foco ao que é negativo. Literalmente, só depende de você! É a lei da atração, uma lei do universo, estudada pelos físicos que afirmam que podemos atrair o que quisermos para nossa vida.
Definitivamente vou passar ao largo da física para explicar a atuação dos átomos nessa história, quem se interessar pode se aprofundar no assunto. O que eu quero revelar, é que, ao longo de dezoito anos de casada com o Sylvio, aprendi sob a influência dele a focar no que é positivo, a ser grata pelas coisas mais simples, a reconhecer o valor das pessoas que nos cercam e fazem diferença na vida da gente. 
Quero registrar o meu eterno agradecimento, a Deus por ter me permitido uma caminhada de luz ao lado do Sylvio. 
Ao Sylvio que sempre me incentivou à seguir em frente e me ensinou o verdadeiro sentido da palavra resiliência, a toda a minha família e amigos queridos.
À toda equipe de colaboradores do Mania de Saúde que vem demonstrando uma postura e comprometimento profissional admiráveis.
Aos clientes/anunciantes do Mania de Saúde, obrigada por confiarem no trabalho ético e pioneiro do nosso jornal nas regiões Noroeste Fluminense e Norte Fluminense/Lagos, onde os dois jornais são respeitados e inspiram transformações nos modelos midiáticos.
E faço minhas as palavras do Sylvio em seu editorial de dezembro passado: “Que Deus abençoe cada um leitor do Mania de Saúde, que nos impulsiona, há 25 anos, no cumprimento de nossa missão de informar e produzir dois jornais sem nos abdicar em nenhum momento da prática do bom jornalismo.”

Texto produzido em: 21/11/2016