No fundo, jamais deixei de ser um sátiro a exaltar as mulheres. Em alguns momentos, maliciosamente, na noite carioca do meu tempo de moço. Ou nas manhãs radiosas de um Rio de Janeiro de sonho. Ah! As praias repletas de ninfas a desfilarem liricamente com os maiôs de duas peças. Tal comportamento não me envergonha. Afinal, sempre as respeitei profundamente. Daí nunca avançar o sinal, com as minhas tiradas de pobre aprendiz de feiticeiro, ainda que poucas vezes bem sucedido, na minha passagem pela Capital do Brasil dos Anos Dourados. O sátiro não acolhido pela ninfa de forma alguma transmudou-se em fauno.  
O respeito e admiração, que constituem a tônica do meu devotamento ao sexo frágil, sobretudo quando envolto pela santificante condição de Mãe, em tempo nenhum me fez esquecer da sensibilizante trova de Américo Seixas: “A minha Mãe, que tanto chora, / carregando a minha cruz.../ Só não é Nossa Senhora, / por não ser Mãe de Jesus”. 
Talvez o fascínio, que as mulheres me despertam, tenha sido uma das razões da grande amizade, que me ligou a Luís Antônio Pimentel, o sátiro iluminado, que fez o seguinte acróstico para a célebre e bela Iole, a gauchinha que conquistou para o Brasil o título de Rainha do Açúcar, em Cali, lá pelos Anos Dourados. Veja, que beleza: (I) “Ímpar, nas formas, na cor./ (O) Olho o teu corpo, é manhã. / (L) Lembras a deusa do amor./ (E) Em plena Grécia pagã”.
Não é de se admirar, assim, que eu compreenda a reação contra o machismo desenvolvida pelas Gabors. Ato de coragem, tanto da matriarca Jolie, quando das suas filhas Zzá, Zzá, Magda e Eva. É que indignado sempre me soaram, bem no fundo dos meus ouvidos, músicas de compositores brasileiros com letras assim: “Mas que mulher indigesta, merece um tijolo na testa” (Noel Rosa); “Será que ela quer pancada?/ É o que lhe falta dar./ Ela quer apanhar” ( Dorival Caymmi). Fica bem claro, assim, que o grande pecado das Gabors foi não ter vivido, no Brasil. Os nossos machistas precisavam e ainda precisam de bons puxões de orelha, a exemplo do que elas fizeram com os norte-americanos e europeus. 

Texto: 22/09/2016