Copa da África faz parte das investigações em torno da FIFA

O futebol mundial passa por uma grande turbulência com o escândalo de corrupção na Fifa que resultou na prisão de sete dirigentes da entidade máxima do futebol no final de maio, entre eles o brasileiro José Maria Marin, ex-presidente da CBF. O abalo foi tanto que o presidente da Fifa, Joseph Blatter, renunciou o cargo e deve sair da entidade até o final deste ano. As investigações do FBI (polícia federal dos Estados Unidos) desencadearam em outros processos para “limpar” a imagem do esporte mais popular do planeta.


Gilberto apoia ações investigativas

No Brasil, o Senado Federal aprovou a criação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a Confederação Brasileira de Futebol (CBF). O ex-jogador Romário, conhecido por criticar a falta de transparência nos bastidores do futebol brasileiro, foi o responsável por protocolar a petição. O atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, será convocado para depor.

Os desdobramentos da “corrupção no futebol” chegaram também às federações. No Rio de Janeiro, um pedido de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar possíveis irregularidades na Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj), como desvio financeiro, fraude nos borderôs das partidas do Campeonato Estadual e ainda a prática de nepotismo, foi feito pelo deputado Jorge Felippe Neto e agora passará por votação no plenário da Assembleia Legislativa (Alerj).


Ex-presidente do Goytacaz, Márcio Danilo, pede seriedade para investigar CBF e Ferj

O ex-jogador Gilberto, que disputou duas Copas do Mundo pela Seleção Brasileira e atualmente é diretor do Americano, aprovou os resultados das investigações e acredita que as consequências serão muitas em um curto espaço de tempo. “Como ex-atleta e agora como dirigente, apoio estas investigações. Queremos que o futebol seja passado a limpo. Muita coisa ainda vai ser descoberta pelo bem do esporte, até mesmo aqui no Brasil”, opinou o ex-jogador de clubes como Cruzeiro, Flamengo, Vasco, Grêmio, Internazionale (Itália), Hertha Berlim (Alemanha), Tottenham (Inglaterra) e outros, revelando o sentimento com tudo que tem acontecido no esporte. “Quem faz parte do futebol se sente enganado e também um pouco marginalizado, porque o torcedor pensa que a corrupção está impregnada em todos os setores, até mesmo entre os jogadores, mas não está”.

O ex-presidente do Goytacaz, Márcio Danilo, também apoia as investigações no futebol, principalmente no Brasil e no Rio de Janeiro. “O que aconteceu na Fifa terá reflexos por aqui. As CPIs da CBF e da Ferj vão ajudar, mas é preciso a colaboração da Polícia Federal nas investigações. Quem não tem nada a dever não precisa temer. Torço para que o futebol se livre da corrupção”, comentou.

Texto produzido em: 19/06/2015