A educação médica, no Brasil, nunca esteve tanto em evidência como nos últimos anos. A mudança das diretrizes dos cursos de medicina, a abertura de novas graduações e a carência de novos médicos no país têm movimentado bastante a área da educação, fazendo com que os profissionais docentes sintam a necessidade de estar sempre atualizados para acompanhar o ritmo dessas transformações.
Foi o que aconteceu, por exemplo, com a IV Oficina de Avaliadores do SAEME, realizada no final de junho, na USP, em São Paulo, que atraiu 40 docentes e 20 estudantes convidados de escolas médicas públicas e privadas de todo o país. Entre os profissionais presentes, estava a médica ginecologista Dra. Renata Gontijo, que representou o curso de Medicina da UniRedentor, da qual é a coordenadora.
Ela explicou, ao Mania de Saúde, a importância dessa realização. “O Sistema de Acreditação de Escolas Médicas (Saeme) foi criado em 2016, como uma nova estratégia para a qualificação do ensino em medicina no país. É um projeto que avalia as escolas médicas por meio de um questionário padronizado e rigoroso, além de uma visita in loco, com o objetivo de elevar o nível do ensino e orientar a escola para que melhore, como um selo de qualidade do ensino médico nacional. Ter sido convidada a ser uma avaliadora do Saeme, para mim, foi motivo de grande orgulho, representando mais uma etapa de crescimento como coordenadora do curso de medicina. Tive uma oportunidade única de conhecer e compreender o processo de acreditação do Saeme e o papel do avaliador, em um evento muito importante e propício para essa troca de experiências entre as escolas”, diz Dra. Renata. 
A presença no Saeme, segundo ela, terá reflexos no próprio ensino ofertado aos alunos. “É claro que, conhecendo o Saeme, nossa tendência será sempre a de aprimorar nosso curso dentro dos padrões necessários. Com isso, ganha a escola, ganham os alunos, com uma melhor qualidade de ensino, bem como a população, que será cada vez melhor atendida”, conta a coordenadora. “No momento, nossa escola não será avaliada porque ainda não formamos a primeira turma. Contudo, estamos constantemente aprimorando a gestão do curso, buscando a excelência sempre. Quando a visita do Saeme acontecer, estaremos preparados para a acreditação”, acrescentou.
 Recentemente, aliás, o curso de Medicina da UniRedentor abriu o seu tão esperado internato, como revelou o Mania de Saúde em primeira mão. Dra. Renata conta que o trabalho anda a todo o vapor. “Minha expectativa para o internato já está plenamente atendida. Tudo até aqui foi muito planejado, pactuado com meses de antecedência, fluindo agora com muita tranquilidade. Quanto à formatura, posso dizer que me sinto um deles! Ver essa primeira turma formada será a realização de um projeto desenhado por várias mãos, das mais competentes, iniciado em 2012. Será o fim de um ciclo e início de vários outros, mas agora sabendo que o caminho estava certo, que a educação sempre foi e será nossa prioridade, rumando à excelência na formação médica em nossa região”.

Texto produzido em: 19/08/2019