O mercado de trabalho não para de evoluir. A cada dia surgem novos modelos de negócio que ampliam o raio de ação dos empreendedores e geram diversas oportunidades. Entre esses modelos, está o chamado coworking, tendência já comum nos grandes centros, mas que, aos poucos, vem chegando ao interior.
Em Campos, um exemplo desse trabalho é o Bloco, um ecossistema corporativo criado por Edmar Teixeira (Administrador), Lucas Carvalho (Engenheiro), Matheus Viana (Advogado) e Robson Lessa (Publicitário). Eles explicam, ao Mania de Saúde, como surgiu a iniciativa. “Tudo começou quando sentimos a necessidade de empreender juntos. Houve uma conversa extensa sobre como empreender em parceria e, ao mesmo tempo, cada um manter seu próprio negócio, dentro do mesmo espaço. Sabendo que o mundo mudou, vimos que a forma tradicional não seria suficiente. Era preciso criar um empreendimento que possibilitasse interação e troca de ideias. Era preciso, também, compartilhar essa experiência com outros profissionais que fossem criativos e empreendedores. Fez-se, então, o Bloco, um novo ecossistema onde profissionais e entusiastas da economia criativa, inovação, empreendimento social, economia circular, empresas B, entre outras, poderão se reunir, discutir e trabalhar em sistema de coworking”, disseram.
Para isso, os sócios dispõem de uma grande estrutura, que conta com diversos postos de trabalho, ar-condicionado, internet, sala de reunião, sala multiuso, auditório, área de convivência, banheiros, a fim de oferecer aos usuários toda a estrutura necessária para gerar negócios e ampliar o networking. “O mais interessante desse sistema é que o modelo é colaborativo. Os profissionais podem interagir uns com os outros e isso favorece o networking. Porque às vezes você precisa trocar uma ideia com um profissional e ele já está ali, do seu lado. Essa rede de contatos vai aumentando e atrai novos clientes”.
O publicitário Robson Lessa explica como funciona o Bloco. “Existem vários modelos de contrato. O profissional pode contratar um dia, ficar aqui, usar toda a estrutura, com luz, ar-condicionado, mesa, internet, banheiro, enfim, coisas que ele teria preocupação em um escritório, mas que aqui são disponibilizadas de acordo com a necessidade dele. Existe também o modelo Bloquer, um pacote de mais dias, mas com preço diferenciado. O profissional usa como quiser e ganha duas horas de sala de reunião, onde pode atender clientes, por exemplo. Isso abre um leque enorme para vários profissionais. Um advogado, por exemplo, às vezes precisa de uma estrutura flexível como essa, bem como arquitetos, jornalistas, corretores de imóveis, entre outros. E há os residentes, que entram no modelo Monobloco: o residente único, com um empreendimento apenas, ou Multibloco, com 3 ou mais residentes. E esses, além da estrutura, têm direito ainda ao domicílio fiscal. Ou seja, vivem um regime de coworking, mas podem colocar isso nos seus respectivos contratos, ter a empresa deles hospedada aqui dentro”, diz Robson, lembrando que a estrutura do Bloco é aberta também para outros tipos de negociação e até mesmo para visitantes. 
O Bloco fica na Tenente Coronel Cardoso, 270, Centro de Campos.

Texto produzido em: 27/06/2017