Abertura com Cláudia Boechat, Patricia Piacentini, Helena Gueiros, e o prefeito de Itaperuna, Alfredo Paulo Marques - Alfredão

Aconteceu em Itaperuna (RJ), nos dias 24, 25 e 26 de outubro, a 1ª Conferência DIR/ Floortime Internacional no Brasil. O evento foi destinado às famílias e profissionais envolvidos com crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) para conhecer ou se aprofundar no método DIR/ Floortime, que é um tratamento ainda pouco difundido no país, porém, tem mostrado maior eficiência em outras partes do mundo. A 1ª Conferência DIR/ Floortime Internacional no Brasil foi uma realização da Faculdade Redentor, portal Capeia Azul e Fundação Profectum.


Serena Wider, Rosemary White e Sherri Cawn

O congresso, que ocorreu no auditório do Hotel Caiçara, contou com aproximadamente 200 pessoas vindas de vários estados interessadas em entender melhor o autismo e o método DIR/ Floortime. Tanta expectativa se deu pela oportunidade para assistir às palestras da psicóloga norte-americana da Fundação Profectum, Serena Wider, uma das criadoras desse modelo de tratamento, além das outras integrantes da equipe, a terapeuta ocupacional Rosemary White, e a fonoaudióloga, Sherri Cawn, todas pela primeira vez no Brasil. Além delas, a psicoterapeuta Patrícia Piacentini, responsável por trazer o método DIR/ Floortime para o Brasil, as fonoaudiólogas Juliana Maia Lopes e Adriana Fernandes, as fisioterapeutas Renata Ponte e Helena Gueiros, e a médica nutróloga e ortomolecular Simone Pires. Os temas como linguagem, o uso do esporte no desenvolvimento, a inclusão escolar, a jornada da família, entre outros assuntos, foram abordados. No último dia, ainda houve um curso de formação onde os profissionais puderam apresentar vídeos de casos com que trabalham atualmente para receber orientações para melhoria do trabalho.


Patricia Piacentini também deu orientações à equipe

No dia 27, Serena Wider, Sherri Cawn, Rosemary White e Patrícia Piacentini passaram o dia no Centro de Atendimento Clínico de Itaperuna (CACI), onde há o “Centrinho”, que realiza atendimento a crianças com transtornos diversos e tem especialização para autistas. As especialistas em Floortime acompanharam várias crianças e fizeram atendimentos.  
O método – O DIR/ Floortime trabalha individualmente observando o porquê de suas atitudes e estimula a realização das tarefas com base em sua observação, não sendo um método impositivo. 

O jornal Mania de Saúde fez entrevista exclusiva com a psicoterapeuta e responsável por trazer o modelo DIR/ Floortime para o Brasil, Patrícia Piacentini, e a fonoaudióloga norte-americana Sherri Cawn.


Sherri Cawn junto aos profissionais do CACI

Patrícia Piacentini falou como foi engajar essa nova ideia no país. “Trouxe o método em 2010 e houve uma aceitação muito boa com os profissionais. É um método que envolve os pais e a melhora das crianças é impressionante. Com quatro anos de história, posso dizer que temos mais avanços no desenvolvimento das crianças do que nunca”, relatou.

A fonoaudióloga norte-americana Sherri Cawn conheceu o método com 32 anos de idade e hoje gerencia um grupo de profissionais nos Estados Unidos. Nossa equipe de reportagem levantou uma questão feita hoje por inúmeras pessoas, principalmente quando descobrem que o filho é autista, é a possibilidade de cura, embora o autismo não seja uma doença. Existe cura? Sherri Cawn explicou. “Com esse método, não se olha a criança com diagnóstico pronto, o modelo DIR suporta todas as crianças com desafio de desenvolvimento, então, independente do que ela apresenta, não importa”, afirmou.

Em relação à 1ª Conferência DIR/ Floortime Internacional no Brasil, Sherri Cawn enfatizou que esse é o caminho, ou seja, trazer conhecimento para que os profissionais possam ser capacitados. “Com a Faculdade Redentor, a escola e as crianças no CACI, o trabalho é esse mesmo, com integração para dar suporte e dar treinamento, o que nem sempre é fácil, mas os resultados serão ótimos e mais crianças virão”, concluiu a especialista.

Nota do Editor: Esta matéria foi produzida pela Assessoria de Comunicação da Faculdade Redentor com exclusividade para o Jornal Mania de Saúde