Realizar uma cerimônia de casamento não é uma tarefa fácil. Desde o início dos trâmites legais até a escolha dos convidados, passando pela decoração da igreja e por toda a preparação da festa, os noivos precisam estar atentos a uma série de detalhes para que tudo esteja à altura do sonho a ser concretizado no altar. Mas um deles, em especial, não pode ser negligenciado de maneira alguma, sobretudo pela grandiosidade de um momento tão importante, que marcará a vida do casal e de suas respectivas famílias para todo o sempre. Estamos falando da fotografia de casamento.
Afinal, é por meio dela que os recém-casados contarão essa história para toda a sua família ao longo do tempo, demonstrando o quanto a fotografia de casamento deve ser sempre valorizada, a fim de que a experiência seja inesquecível para os noivos e garanta, a eles, um registro exato e fiel de um momento tão único em suas vidas.
O fotógrafo Gilmar Ramos tem sentido isso na pele desde que se especializou em fotografia de casamento. Após ter feito inúmeros cursos na área, com profissionais de renome nacional e internacional, tendo participado de congressos dentro e fora do país, Gilmar se tornou uma das maiores referências nesse segmento na cidade e explica, ao Mania de Saúde, como costuma realizar seu trabalho.
“A fotografia de casamento deve primar, antes de tudo, pela personalização. Tanto que, no meu caso, não faço casamentos em série, um atrás do outro. Eu procuro muito conhecer o casal. Quando os noivos chegam aqui, temos uma longa conversa, onde faço inúmeras perguntas não para saber detalhes da vida pessoal deles, mas para conhecer a história dessa relação. Isso faz com que eu me antecipe na fotografia. Conhecendo a história deles, consigo fotografar coisas que são importantes para o casal, detalhes que realmente vão transmitir aquilo que eles são. Até porque a fotografia de casamento tem que ser algo ad eternum, atemporal, pois os noivos se casam para eternizar uma relação. Logo, você tem que buscar um fotógrafo à altura, para não causar arrependimento, pois não adianta uma decoração bonita, um vestido lindo, uma cerimônia e uma festa bem organizadas, mas, de repente, ter um trabalho fotográfico que não lhe deixará feliz pelo resto da vida”, diz Gilmar.
Ele frisa como essa atenção faz a diferença na vida dos noivos. “Costumo dizer que não gosto de fotografar por fotografar. Não sou aquele profissional que vai chegar no dia do casamento e apenas executar o serviço e ir embora. Eu participo de todo o processo. Tanto que sempre sugiro ao casal fazer o pré wedding, onde vou conhecendo ainda mais os dois, descobrindo o que curtem, como é a personalidade deles, para não criar um personagem e acabar fotografando quem eles não são de verdade. Isso proporciona um trabalho bem mais personalizado, que se reflete no álbum de casamento. Costumo fazê-lo até como um livro, montado inteiramente pelo casal, desde a escolha da cor até o material da capa, para que ninguém tenha um trabalho parecido. Até porque estamos contando a história deles! Eu preciso que esse livro eternize a história daquele dia tão especial, buscando transmitir o sentimento e a emoção nas fotos, porque estamos falando de um momento único, onde acontecem várias coisas que os noivos não estão vendo, mas que, nas fotografias, conseguirão ver e, assim, rememorar aquele instante para sempre”. 

Texto produzido em: 21/08/2019