O zagueiro campista Gil foi negociado pelo Corinthians com o futebol chinês no final do mês de janeiro em uma negociação de quase R$ 44 milhões. Indiretamente, Rio Branco e Americano, clubes de Campos e formadores do defensor, lucrarão com a venda. 
O mecanismo de solidariedade da Fifa prevê a restituição em 5% do valor de qualquer transferência para os clubes em que o jogador atuou entre os 12 e os 23 anos. No caso de Gil, seis clubes - Rio Branco, Americano, Jaguaré, Atlético/GO, Aparecida/GO e Cruzeiro - têm direito a um determinado percentual. A conta para saber quanto cada clube pode receber é a relação da duração do contrato do jogador com a idade que tinha na época.
Primeiro clube da carreira de Gil, o Rio Branco tem a receber aproximadamente 1,125% do valor total da negociação, cerca de R$ 500 mil, enquanto o Americano, por onde o defensor se profissionalizou, tem direito a quase 1,5% ou, aproximadamente, R$ 650 mil. O Atlético/GO receberá a parcela de 0,75% (330 mil), o Aparecida/GO de 0,25% (110 mil), o Jaguaré/ES de 0,25% (110 mil) e o Cruzeiro de 1,125% (495 mil).
Para ter direito ao valor destinado pelo mecanismo de solidariedade da Fifa, os clubes precisam entrar com um pedido na Fifa, através da CBF no caso do Brasil, e provar o vínculo com o jogador, com a cópia do contrato e o registro da CBF.
O dinheiro indireto da venda de Gil seria bem-vindo para Americano e Rio Branco. Os dirigentes dos dois clubes já estão cientes do procedimento e acionaram os departamentos jurídicos para entrarem com o pedido junto à Fifa. 

 

Texto produzido em: 20/01/2016