Dr. João Paulino Prazeres

Neste mês em que o Dia do Médico é comemorado, o município de Itaperuna tem muito a celebrar. Em toda a região, a cidade é reconhecida como pólo de medicina, tanto no que tange à tecnologia, quanto aos seus profissionais. Nesta edição, o Dr. João Paulino Prazeres, presidente da Associação Médica Norte Fluminense (AMNF) e da Unimed Norte Fluminense, faz um breve balanço sobre o que isso representa para o itaperunense.

Mania de Saúde - Itaperuna se tornou referência em medicina para toda a região. Na sua visão, o que mais tem contribuído para a consolidação desta imagem perante o restante do estado e cidades vizinhas de Minas Gerais?

Dr. João Paulino Prazeres - Uma história de sucesso e de reconhecimento não se faz de um dia para o outro. É importante lembrar que Itaperuna sempre contou com profissionais de alta qualidade em várias especialidades e que se destacaram na medicina da região. Sem dúvidas a história da medicina de Itaperuna deve muito ao Dr. Renan Catarina Tinoco. Com seu profissionalismo e busca por excelência, o Hospital São José do Avaí tornou-se referência em medicina.  O bom padrão da classe médica, a diversificação de especialidades e a oferta de medicina de alta complexidade consolidam essa imagem não só no estado e região, mas em todo território nacional.

Mania de Saúde - Como a cidade se beneficia deste reconhecimento? Que reflexos os moradores podem sentir no seu dia a dia?

Dr. João Paulino Prazeres - A oferta de qualidade aumenta a demanda. Os pacientes que vêm a Itaperuna à procura dos serviços de saúde aumentam a circulação de dinheiro em nosso comércio, refletindo em todos os setores de nossa cidade, permitindo, assim, melhorar a qualidade dos serviços prestados a toda comunidade itaperunense. Creio que o maior benefício para a população de Itaperuna é de não necessitar ir para os grandes centros em busca de uma medicina qualificada.

Mania de Saúde - Quais são os pontos em que ainda se pode avançar nesta área?

Dr. João Paulino Prazeres - Primeiro precisamos manter essa qualidade adquirida e continuar identificando as necessidades para manutenção e inovação de serviços. Praticar medicina de ponta necessita de altos investimentos e, para manter uma boa saúde, necessitamos de qualidade de vida, isto é, saneamento básico, cidadania, trabalho, educação e um IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) digno. Para isso precisamos avançar em fazer representatividade política em todas as esferas.

Texto produzido em: 11/09/2014