Os Drs. Rodrigo e Leonardo Guimarães

 

Durante muito tempo a gluteoplastia foi uma cirurgia plástica que era alvo de críticas por ter um resultado que não parecia natural aos olhos. No entanto, assim como tudo na medicina, as técnicas para este tipo de intervenção cirúrgica avançaram bastante e hoje se chega a uma resposta muito mais satisfatória. Nossa reportagem conversou com o Dr. Rodrigo Guimarães e Leonardo Guimarães, do Espaço Duo, que esclareceram como foram esses avanços.

Dr. Leonardo começa explicando como é o procedimento. “Trata-se de uma cirurgia que pode ser dividida em dois campos: a gluteoplastia com prótese e a gluteoplastia com lipoenxertia. Na primeira você usa uma prótese de silicone e coloca dentro do músculo. Na lipoenxertia, em vez de usar a prótese, coloca-se um enxerto de gordura. A vantagem do uso do silicone é que ele projeta o músculo, e não a gordura em volta, se assemelhando a quem teve uma hipertrofia do músculo, como se a pessoa tivesse malhado e o glúteo tivesse crescido por causa disso. A prótese que era usada antigamente projetava de uma maneira cujo resultado final ficava extremamente artificial. Daí o preconceito de muita gente com relação a essa cirurgia, porque realmente não ficava natural. Essa era uma das principais queixas dos pacientes”.

Dr. Rodrigo completa dizendo o que causava esse problema. “Eram três motivos. Primeiro, o tipo de prótese que se colocava. Usava-se muito as próteses redondas. Segundo, a localização da prótese. Hoje nós colocamos no meio do músculo e antigamente se colocava acima dele, o que tornava a prótese muito visível, ressaltada. Quem batia o olho percebia. E o terceiro fator é o tamanho, que muita gente usava desproporcionalmente. Hoje em dia, com os avanços das técnicas cirúrgicas e das próteses, se obtém um resultado muito mais satisfatório e que atende ao que o paciente mais tem buscado, que é a naturalidade. Existem dois tipos de prótese, a redonda e a anatômica, e em 80% das vezes nós colocamos a segunda. Eventualmente, dependendo muito do perfil da pessoa, nós colocamos a redonda. Com relação à cicatriz, ela é feita no sulco interglúteo, de forma que fica bem discreta, possibilitando o uso de biquíni tranquilamente. A anestesia é de bloqueio peridural, a mesma para gestantes. Falando de maneira simples, o foco da cirurgia é aumentar a região glútea e, além disso, a gente pode complementar, diminuindo a região dos flancos, lipoaspirando em volta, o que acontece na grande maioria das vezes”.

Os Drs. comentam ainda como é o pós-operatório. “O período de recuperação é em torno de três semanas, para voltar às atividades habituais. Já academia e outras atividades físicas mais pesadas, de 45 a 60 dias. Mas a recuperação é mais rápida do que as pessoas pensam. Na última cirurgia de glúteo que fizemos, por exemplo, no dia seguinte a paciente estava sozinha no quarto, trocando de roupa e tomando banho, sem ajuda de ninguém. A melhora da técnica melhorou muito o pós-operatório”, afirmam.

 

Texto produzido em: 15/05/2014