Um dos prazeres que mais agrada o brasileiro é comer bem. E, nos últimos anos, parece que estamos cada vez mais exigentes quando o assunto é a experiência gastronômica. A popularização da alta gastronomia através dos programas de TV dedicados ao tema pode explicar este fato. Para entender melhor o assunto, nossa reportagem foi até o restaurante Secreto, em Campos, onde conversou com o Chef Paulo Orlando Gottgtroy Guimarães. Confira o nosso bate papo!
Mania de Saúde – Conte um pouco sobre como você começou nessa área.
Paulo Gottgtroy –
A gastronomia não foi a minha primeira opção de carreira, eu me formei em desenho industrial, na PUC. Mas logo nos últimos períodos eu senti que não era a carreira que eu iria seguir. Foi a época em que começaram a surgir os programas de TV voltados para esta área, eu assistia os programas da Flávia Quaresma e do Alex Atala, além do Claude Troisgros, que é uma referência. E apesar de não ter prática de cozinha, eu percebi que era algo que eu poderia fazer. Então fiz um curso básico para amadores no SENAC e gostei. Fiz outro curso de cozinheiro básico e decidi fazer a faculdade, o Politécnico em Gastronomia pela UNIRIO. Era um curso de dois anos e seria importante para o meu currículo. Logo no início, consegui um estágio onde eu queria, no Troisgros. Desde então venho trabalhando com a área. 
Mania de Saúde – E como foi a vinda para Campos?
Paulo Gottgtroy –
Trabalhei com gastronomia no Rio até 2013. Eu conheci a minha esposa, que é de Campos. Nós começamos a namorar enquanto eu ainda estava lá, trabalhando em um bistrô contemporâneo. Mas chegou um momento em que precisávamos definir a nossa situação e então eu decidi me mudar para cá. Comecei a fazer eventos para alguns conhecidos, depois fui apresentado aos donos de restaurantes da cidade e comecei a fazer eventos nos restaurantes. Fiz dois anos de festival de risoto que foi um sucesso. A Lívia tem uma casa em Atafona, e nós decidimos fazer um restaurante lá. Era eu na cozinha e ela no salão, atendendo todas as quintas-feiras de janeiro. Teoricamente era para 30 pessoas, mas sempre foram mais. Era um restaurante na praia, que não tinha divulgação, era para conhecidos, sob reserva e o pessoal começou a chamar de “o restaurante secreto”. E nome a gente não escolhe, a gente ganha. Foram dois anos e no final de 2016 abrimos o Secreto.
Mania de Saúde – Como você avalia o momento atual da gastronomia no Brasil, com vários programas de TV divulgando a área?
Paulo Gottgtroy
– O boom da gastronomia começou um pouco de quando eu entrei. E os programas de TV desta área cresceram muito e tudo isso fomenta a nossa profissão. Acho válida essa divulgação em massa. Tem lados positivos e negativos, tem muita gente que entra por curiosidade, por glamour e não é tão glamouroso assim. Mas acho que o dia a dia na cozinha vai filtrando quem realmente gosta mesmo da área.
Mania de Saúde – Campos tem se destacado nessa área com a Liga Gastronômica, certo?
Paulo Gottgtroy –
Exato. A Liga foi muito importante, primeiro para unir os donos de restaurantes. Nós não somos inimigos, pelo contrário, somos colegas de profissão. São mais de 20 restaurantes, a gente troca ideia, se comunica, acabou se formando uma comunidade. Geralmente temos um festival de verão e de inverno, que a gente consegue movimentar bem as casas. E os festivais são sempre muito bons e permite que mais pessoas conheçam o nosso trabalho. 
Mania de Saúde – Se você pudesse dar um conselho para quem pensa em iniciar a carreira na gastronomia, qual seria?
Paulo Gottgtroy –
Para trabalhar com gastronomia e cozinha não é preciso um grande talento natural. Claro que ajuda, mas a prática, o treinamento, a repetição e a disciplina são fundamentais. E todo mundo pode cozinhar.

Texto produzido em 23/08/2019