Uma queixa frequente nos consultórios de dermatologia é a queda de cabelo. Existem diversos fatores para que ela ocorra, como doenças sistêmicas, alopecia androgenética, utilização de produtos químicos capilares, dentre outros. De uma forma geral, os produtos são divididos em colorações gradativas, temporárias, semipermanentes e permanentes.
Nossa reportagem conversou com a médica dermatologista da Clínica Pelle, Dra. Thaisa Dutra, que esclareceu as principais diferenças entre esses produtos. “A coloração gradativa é obtida através da reação do corante com substâncias da cutícula (a parte mais externa no fio), fazendo uma pigmentação gradual. É importante destacar que o cabelo, após receber esse tipo de coloração, pode se partir com o uso de outra técnica. A coloração temporária usa corantes que permanecem na cutícula do fio e, em geral, saem na primeira lavagem. Porém, se o cabelo estiver danificado, ou seja, ‘poroso’, o efeito é mais prolongado pois há uma maior penetração do produto. Quanto às colorações semipermanentes (tonalizante) e permanentes (tintura), a diferença está basicamente na presença ou não de amônia. A coloração semipermanente penetra no córtex capilar  (região abaixo da cutícula), e permanece no fio geralmente por 4 a 6 semanas. Causam pouco dado ao fio, porém o efeito nos cabelos danificados pode ser imprevisível. São capazes de escurecer os fios em até 3 tons, e como não contêm amônia, não descolorem. Já a coloração permanente utiliza produtos à base de amônia, que penetram também no córtex capilar, e a cor resulta de um processo chamado reação de oxidação. É capaz de escurecer ou clarear os fios, e o pigmento não é removido por lavagem. Vale lembrar que o uso de uma nova coloração sobre o cabelo já tingido pode danificar os fios”, afirma a médica.
Dra. Thaisa ainda fala sobre a descoloração. “É o processo de remoção parcial ou total do pigmento natural do cabelo, chamado melanina. Geralmente utiliza-se amônia para isso, e o mecanismo de ação ainda não é conhecido. A permanência por longos períodos (como 1 a 2 horas) dos produtos em contato com os cabelos pode danificar intensamente o fio. É interessante a realização de teste de contato antes da utilização de certos produtos para diminuir o risco de efeitos colaterais, como a quebra do fio. Recomenda-se que procedimentos de alisamento ou permanente sejam realizados pelo menos 2 semanas antes da coloração, pois há risco de incompatibilidade entre as químicas. Em caso de dúvida, procurar o dermatologista, que é o médico especialista na pele e também nos cabelos”. 

 

Dicas para diminuir o dano ao cabelo causado pela coloração:

* Uso de produtos com proteção solar
* Realização de hidratação semanal ou quinzenal
* Uso de máscaras capilares reconstrutoras, de preferência mensal
* Cabelos ressecados: investir em produtos que contenham óleos (óleo de argan, de semente de uva, de coco, de abacate), e também em produtos que possuam algumas manteigas, como a manteiga da karité
* Procurar um profissional qualificado, e usar produtos de qualidade

 

 

Texto produzido em: 24/06/2017