“Tenho pouco mais de 21 anos e, mesmo não sofrendo de crono-inversão, jamais jogaria fora a mãe de Magda, Eva e Zsa Zsa Gabor”. – Nelson Lontra Costa.

Um leitor me interpela querendo saber o nome da mãe de Magda, Eva e Zsa Zsa Gabor, criticando-me, em face de a ter mencionado aqui no Mania de Saúde sem dizer como a genitora das beldades se chamava. De pronto lhe falei que o seu nome era Jolie, não deixando de agradecê-lo por me ter dado o assunto para a próxima crônica. Aliás, Meu Caro e Heroico Leitor, este texto que você está lendo.
Parece-me oportuno informar pela fotografia que dela me exibiu o meu amigo Nelson Lontra Costa, que a coroa tinha um bonito rosto e um corpo escultural revelado pelo maiô colante com que se exibia. Eu e Nelson, na época, morávamos no Rio de Janeiro dos Anos Dourados já afetado pelo processo de sexualização da cultura ocidental denunciada por Pitirim Sorokin. Logo, os nossos olhos estavam totalmente voltados para a sua sensualidade. Só alguns anos depois tomei conhecimento de que Jolie Gabor não era apenas a mulher sensual, mas uma guerreira, que enfrentou os maiores desafios existenciais. E, apesar de ter se casado algumas vezes, não era promíscua, pois sempre foi fiel ao homem do momento. E que foram os seus esposos os responsáveis pelos rompimentos conjugais, que a marcaram.
Jolie e as suas filhas viveram a época do nazi-fascismo, na Europa, do macarthismo, nos Estados Unidos e do machismo por onde andaram. E saíram ilesas diante de tais desafios. Como se sabe, para os machistas, a mulher é coisa a ser desfrutada sexualmente. E, às vezes, para dela tomar dinheiro, como procediam os cafetões, nos prostíbulos. E os espertos “bons moços” da alta sociedade, em jogadas tidas como inteligentes pelo seus pares, isto é, pelos seus iguais em condição social. O caso do célebre play boy dominicano Porfírio Rubirosa é sintomático, pois em seu divórcio com a milionária norte-americana Barbara Hutton recebeu – pasmem !!! – um milhão de dólares. 
Para se aquilatar como foi aplaudido Porfírio Rubirosa pela proeza, os ricaços brasileiros dos Anos Dourados realizaram uma festa em sua homenagem de três dias e três noites, no Copacabana Palace. Festão repleto espantosamente de lindas mulheres e que transcorreu, na suíte presidencial do magnífico hotel. Diante de fatos assim, é fácil entender a razão de Zsa Zsa Gabor dizer sem medo que “aprendeu com a mamãe Jolie jamais odiar um homem a ponto de devolver os brilhantes por ele ofertados”...

Texto: 20/07/2016