VITAMINA D: Mitos, verdades e curiosidades

Foto: Banco de Imagem

Foto: Mania de Saúde
O médico e professor Dr. Cláudio Cola

Muito tem se falado da vitamina D, mas você sabe o que há de real nas informações que pululam na internet sobre o tema? Sobre isso nós conversamos com o médico e professor Dr. Cláudio Cola, que conta o que é a vitamina D e como ela atua no nosso organismo.

“A vitamina D3 é produzida na pele, onde o seu precursor, o pré-D3, sofre ação dos raios ultravioletas B, seja pelo sol ou artificial. Após ser produzida, a vitamina D3 passa pelo fígado, onde é armazenada, para depois ser ativada nas paratireoides e nos rins. Se você considerar que, conceitualmente, vitaminas são compostos orgânicos e nutrientes essenciais de que o organismo necessita em pequenas quantidades, e agora entender que a Vit D é sintetizada no organismo, tendo ação em vários órgãos à distância, então a primeira grande verdade é que ela não é uma vitamina e sim um hormônio, e, o primeiro grande mito se confirma: ela depende do sol e este será fundamental para que ela exerça todas as suas funções. A sua função mais conhecida e estudada é relacionada ao metabolismo do cálcio, magnésio e fósforo, atuando nos ossos e no intestino, para manter os níveis destes normais no sangue, então, o segundo grande mito se confirma: sua disfunção causa fragilidade óssea, assim como estabelece-se a segunda grande verdade: não existe prevenção ou tratamento eficaz para osteoporose sem adequados níveis de Vit D, o que também é fundamental para controle de doenças cardiovasculares. Estudos de regulação genética demonstram que a Vit D influencia diretamente na ação de 291 genes, fazendo que estes, de uma maneira geral, produzam substâncias que agirão no reparo do DNA celular, na regulação imunológica e inibindo a disseminação de células defeituosas, protegendo os tecidos de infecções e mutações, inclusive daquelas relacionadas à exposição solar, ou seja, confirma-se assim a terceira verdade: sua ação preventiva para doenças autoimunes, infecções, neoplasias e metástases, da mesma forma que se derruba o mito de que se expor ao sol para ativar a sua Vit D seria arriscado”.

Ainda de acordo com Dr. Cláudio Cola, a medicina baseada em evidências destaca também estudos recentes que demonstram que existem receptores para a Vit D nas células produtoras de insulina e acumuladoras de glicose. “Ou seja, confirma-se a quarta verdade: a Vit D é fundamental para o controle do diabetes tipo 2, e derruba-se o mito de que administrar ‘vitaminas’ ao diabético dificulta seu controle glicêmico. Como se não bastasse, a Vit D é fundamental para a conversão intestinal do aminoácido Tryptofano em 05 OH tryptofano, que vai se transformar em Serotonina nos neurônios, ou seja, estabelece-se a quinta verdade: não há tratamento eficaz para depressão sem reposição de Vit D, assim como derruba-se o mito de que não existe relação entre a melhora que pacientes deprimidos podem ter com a exposição ao sol diária. Depois de mitos derrubados e verdades estabelecidas, e para entender melhor a pandemia mundial de baixos índices de Vit D, com uma distribuição muito mais ampla, muito letal e antiga do que a do coronavírus, vamos finalizar com algumas curiosidades que vão fazer você pensar: por que o largo consumo de leite, alguns vendidos com a inscrição ‘ricos em vitamina D’, não deveria repor adequadamente a Vit D? Muitos trabalhos científicos comprovam que, no Brasil, a incidência geral de casos de câncer cai muito à medida que vamos contando os casos subindo da região Sul para a Nordeste? Há alguma relação deste padrão com a Vit D? Todos sabem e toda comunidade científica concorda que, da década de 40 até hoje, a incidência de depressão, doenças cardiovasculares, osteoporose, doenças autoimunes e neoplasias aumentaram vertiginosamente. O que pode ter influenciado nisto? Vamos então às respostas: o leite pode ter muita vitamina D2, mas a que precisamos é a vitamina D3; subindo da região Sul para o Nordeste, no Brasil, nos aproximamos da linha do equador, onde a exposição ao sol é mais constante, ou seja, quanto mais sol, mais vitamina D e menos câncer porque, como vimos, se a exposição ao sol aumenta o risco de câncer, a maior produção de Vit D é o antídoto; e por fim, foi na década de 40 que começaram a surgir os primeiros protetores solares com a finalidade de reduzir o câncer de pele e, ao longo do tempo, a maioria destes produtos foram sendo modificados e acrescidos de substâncias ineficazes e até tóxicas, perdendo ou deturpando a sua finalidade principal. Enfim, a relação protetor solar/Vitamina D/Câncer é um assunto muito mais complexo e profundo e quem sabe o abordamos em outra oportunidade?”.