Sthevo Damaceno

Sthevo Damaceno

O verdadeiro Jornal do Brasil

Quando o Jornal do Brasil deixou de ser publicado na versão impressa para existir apenas na internet, em 2010, os leitores – e a opinião pública em geral – ficaram estarrecidos. E com razão. Afinal, o Jornal do Brasil foi, por décadas, o veículo mais influente do país e marcou a história nacional pelas mais diferentes frestas. Sua conhecida reforma... (continua)

Que venha 2017!

Não posso cometer, aqui, a leviandade de comparar 2016 com 1968, mas posso dizer, sem medo de errar, que tivemos um dos anos mais ruidosos deste século, daqueles que não esqueceremos tão cedo. Se foi assim naquele final da década de 1960, que assustou o Brasil pela quantidade de acontecimentos definidores de nossa identidade, 2016 não fica muito atrás: tivemos o segundo impedimento de... (continua)

A humildade é uma Bandeira

A vida é didática. Quando iniciei no jornalismo, há uns 10 anos, me dediquei à área cultural. Fazia reportagens, mas houve momentos em que também escrevia artigos de opinião, em primeira pessoa, como este que você está lendo. Em um dos textos, decidi abordar a obra do poeta Manuel Bandeira. Um desastre, é claro. Mas hoje percebo o quanto ele me ensinou sobre o ato... (continua)

Os olhos são a lâmpada do corpo

Diz o Bauman que o mundo de hoje só aceita uma experiência se ela for registrada. Um vídeo, uma selfie ou até mesmo um áudio de Whatsapp substituíram a contemplação solitária dos acontecimentos, que nos enriqueciam muito mais a vida.  Mas eis uma cena que eu adoraria compartilhar se não tivesse acontecido bem antes do surgimento dos smartphones: estava num... (continua)

Ao mestre, com carinho

Quem conhece jornalismo se lembra da famosa reportagem de Gay Talese sobre Frank Sinatra. Se você desconhece, vale a pena contar: em 1966, o jornalista norte-americano publicou, na revista Esquire, um perfil definitivo sobre Frank Sinatra que, até hoje, desbanca muitas biografias sobre o cantor. A começar por uma peculiaridade: Talese não trocou uma palavra com ele, nem com sua família.  O... (continua)

O mais estranho dos países

Paulo Mendes Campos conta uma história curiosa em seu “O mais estranho dos países”. Uma repórter alemã visitava o Brasil e queria entender a natureza do nosso jeitinho brasileiro. Paulo mostrou o que era isso.  Entrou no primeiro comércio, chamou o proprietário e falou que a alemã precisava evitar a prisão do pai na Alemanha Ocidental (sem mesmo saber o que... (continua)

Belchior reencontrado

Os fãs de Belchior estão mais angustiados do que um goleiro na hora do gol. Eles não têm mais notícias do compositor, estão carentes de novas composições e se perguntam quando poderão assistir novamente a um show do rapaz latino-americano que encantou o Brasil nos anos 1970. Nem mesmo em maio último, quando completou-se 40 anos do lançamento de... (continua)

Vamos ler?

Felipe Neto é um dos produtores de conteúdo para internet mais bem-sucedidos do país. Tem 28 anos, um canal no Youtube com mais de 5 milhões de inscritos, é ator, roteirista, empresário e arrasta uma multidão de jovens para seus monólogos. Eles absorvem as opiniões de Felipe como se tomassem um copo d’água. Ainda bem que ele, num vídeo recente,... (continua)

Nos bastidores do Mania

Por Sthevo Damaceno Reza a cartilha dos bons modos que é deselegante um jornalista escrever em primeira pessoa. Mas este é um depoimento. Como falar de Sylvio sem trazer a público características que às vezes só se evidenciavam em nosso convívio? Como encobrir particularidades dele que explicam, em muito, o sucesso do Mania de Saúde? É engraçado fazer esta... (continua)

A biografia do ano

Ele biografou aquele que talvez tenha sido o personagem mais engajado da história do Brasil: Luís Carlos Prestes. No campo da pesquisa, esta tarefa parece mais homérica do que a andança da famosa coluna que fixou a figura de Prestes no quadro social e político do país. Mas ela foi realizada, com brilhantismo, pelo historiador e professor Daniel Aarão Reis, em “Luís... (continua)