Férias, um misto de ansiedade e pavor…

Andréa Muniz

Publisher, empresária da comunicação, jornalista, engenheira de produção. Com experiência de 25 anos à frente do Mania de Saúde.
Papo com os MÉDICOS!

“Faltam menos de trinta dias para as férias escolares se iniciarem, alguns pais estão ansiosos e outros apavorados com a programação com as crianças e adolescentes, eu ainda não consigo defi nir o sentimento por aqui e vocês?…” – Andréa MunizAh!

Férias
Os doramas coreanos são os preferidos dos adolescentes, o que gerou na minha Sophya o desejo de ir à Coreia do Sul, juro que gelei..
As férias de julho são sempre um momento especial aqui em casa, sinto uma mistura de emoções quando o mês de julho se aproxima. É um período curto e que combina alegria, desafios e muita criatividade para manter as crianças e adolescentes ocupados e felizes durante as semanas sem escola. É um período que significa uma pausa na rotina corrida do ano letivo, uma oportunidade para desacelerar um pouco, aproveitar mais tempo juntos como família e explorar novas atividades. Claro, também implica em planejamento: buscar programas de férias, organizar viagens ou simplesmente criar um cronograma semanal com atividades divertidas, afinal, nem sempre nós adultos podemos tirar o mesmo período de descanso, seria o ideal, não é mesmo? Uma das coisas que mais gosto é ver o brilho nos olhos da Sophya quando começamos a planejar as férias, pois ela tem muitas ideias e expectativas sobre o que faremos juntas. Para o meu desespero, a última dela foi me pedir para ir à Coreia do Sul… desesperei, confesso! A minha sorte foi que, após rios de lágrimas ao saber que não daria para fazer essa viagem nessas férias, dias depois ela mesma desistiu, ufa, que alívio! Nem sempre conseguimos realizar o que planejamos e está tudo bem também, estou aprendendo a lidar com isso. Confesso que era bem frustrante, mas a terapia tem me ajudado com essa questão também. E, uma coisa muito interessante sobre as nossas crianças e adolescentes que tenho notado, é que eles são muito mais maleáveis do que a nós adultos. Tenho percebido por aqui que a “frustração” dura pouco, eles não são como a gente, que fica remoendo as coisas, desde que o assunto seja conversado e combinado, dando a eles o respeito merecido. Pelo menos aqui em casa, qualquer assunto conversado e explicado é bem recebido e entendido pela minha adolescente. Isso dá um alívio e tanto. Voltando às férias, imagino que intercalar entre pequenas viagens e períodos em casa seja a programação da maioria, além do cinema, shopping e casa dos amigos, é claro! Lembrando que, nesse período, a gente percebe com muita clareza a importância das professoras e equipes que tomam conta das nossas crianças durante o ano inteiro. Deixo aqui minha gratidão a esses profissionais que durante todo o ano cuidam dos nossos pequenos e grandes amores, nossos filhos, suportando as fases, as mudanças, os rompantes que muitas vezes nem vemos em casa. No mais, desejo aos pais de plantão que tentem, na medida do possível, aproveitar esse período precioso para estreitar laços com seus filhos, se reconectarem e deixar memórias de bons momentos e experiências, a fim de que, ao retornarem às aulas, possamos sentir orgulho das lembranças guardadas em nossos corações.