É possível comer bem na escola?

A alimentação dos filhos, especialmente na escola, é sempre uma grande preocupação para os pais hoje em dia. Afinal, nem sempre as famílias conseguem monitorar os hábitos alimentares da criança, que muitas vezes acaba sendo exposta a alimentos ultraprocessados ou inadequados para a sua dieta. A boa notícia é que, atualmente, a área da educação vem se atentando cada vez mais para a alimentação saudável desde a infância, a fim de facilitar a rotina dos pais ao longo desse percurso. Ao visitar o Colégio Bittencourt, por exemplo, o Mania de Saúde teve a oportunidade de conferir o trabalho realizado pela instituição, que tem um projeto dedicado à alimentação saudável desde o ensino infantil, promovendo hábitos alimentares equilibrados e conscientizando os alunos sobre a importância de escolhas nutricionais adequadas à sua rotina. Quem nos falou sobre o assunto foi a auxiliar de coordenação Fabricia Alves Cruz. “Todos os anos, o Colégio Bittencourt realiza o projeto de alimentação saudável junto às crianças, além de incluir essa rotina nas próprias refeições dos alunos. Temos um cardápio elaborado por uma nutricionista materno-infantil, que presta essa consultoria à escola, criando planos alimentares para cada fase do desenvolvimento. Além disso, adaptamos o cardápio daquelas crianças que possuem alguma restrição alimentar, conforme as orientações dos pais. Trabalhamos em parceria com as famílias para facilitar esse processo e garantir que a criança se alimente de forma adequada, priorizando sempre a sua saúde e o seu desenvolvimento”, afirma. Segundo Fabricia, esse projeto não se limita apenas à alimentação diária da criança, mas também se insere como um tema recorrente no programa educacional da escola. “A alimentação saudável também integra o nosso conteúdo pedagógico, que traz diversas atividades relativas ao tema, fazendo com que a criança passe a conhecer melhor cada alimento, familiarizando-se com as opções mais saudáveis para a sua rotina alimentar, incluindo frutas, legumes, hortaliças, sucos, dentre outros”, diz Fabricia. “O interessante é que, muitas vezes, os pais têm dificuldade de introduzir aquele alimento em casa, mas aqui, na escola, a criança acaba se interessando por ele, já que vê os amiguinhos comendo também. Ao fazermos esse trabalho desde cedo, quando chegam à adolescência, esses alunos já adquiriram bons hábitos alimentares. O risco de consumirem produtos industrializados, portanto, acaba sendo bem menor”, acrescentou. É importante lembrar, no entanto, que os pais também devem acompanhar e participar desse processo, a fim de consolidar o trabalho realizado pela escola. Fique ligado nessas dicas e comece hoje mesmo! * Dê o exemplo em casa! As crianças absorvem muito conhecimento observando as atitudes ao seu redor. Opte por alimentos naturais e evite processados, como enlatados e fast-food, incentivando escolhas mais saudáveis. *Estimule. Transforme a hora da alimentação em uma experiência alegre e convidativa. Permita que a criança explore os alimentos, tocando-os e brincando com eles. Em vez de impor os alimentos ao cardápio, envolva a criança na conversa sobre cada item. Seja lúdico! * Incentive a participação na cozinha. Envolva as crianças na preparação das refeições, tornando a culinária uma atividade divertida. Crie pratos coloridos e com formatos diferentes. Além de proporcionar aprendizado, essa interação na cozinha traz diversão e engajamento.