A importância da personalização em Arquitetura de Saúde

A importância da personalização em Arquitetura de Saúde“Cada indivíduo possui uma perspectiva única em relação ao ambiente hospitalar, e suas necessidades são influenciadas por suas próprias limitações.” Kátia Fugazza

Já experimentou a ansiedade ou o medo ao entrar em um hospital? É comum vermos pessoas nesse estado em busca de ajuda ou à espera de respostas quanto ao estado de um parente. A verdade é que muitos associam aquele espaço, muitas vezes carregado por uma cor branca, a um local instável, onde qualquer coisa pode dar errado a qualquer momento. Essa percepção de um hospital ou de uma instalação de saúde está equivocada, pois, em vez de aproximar as pessoas, tende a afastá-las. Cada pessoa experimenta ao seu modo a busca de respostas quanto à própria saúde. Promover sensações positivas enquanto isso é o que incentivará ainda mais as pessoas a não deixarem de buscar por respostas. Cada indivíduo possui uma perspectiva única em relação ao ambiente hospitalar, e suas necessidades são influenciadas por suas próprias limitações. Um paciente idoso, por exemplo, vivenciará a hospitalização de forma distinta em comparação a um paciente que utiliza cadeira de rodas. A capacidade de distinguir essas diferenças e oferecer soluções personalizadas é fundamental em qualquer projeto relacionado aos ambientes de saúde. Ambientes devidamente personalizados para o bem-estar do paciente podem auxiliar na redução de estresse e ansiedade. A tranquilidade e conforto precisam ser devidamente inseridos. E a arquitetura terapêutica tem sua importância em projetos para espaços como esses, com a finalidade de trazer uma experiência sensorial para espaços por meio de cores e materiais. O resultado é o fortalecimento da identidade da instituição e acaba por gerar maior conexão entre os pacientes e profissionais de saúde.