O verão e os idosos

Descubra como ter um verão mais saudável para os idosos

A Dra. Eliza Miranda Costa Caraline, médica Geriatra

O verão, para muitas pessoas, significa um momento mais do que oportuno para se divertir e curtir um bom período de descanso. Mas, para boa parte do público, o calor pode ser sinônimo de problema, especialmente para aquelas pessoas que necessitam de cuidados redobrados com a saúde, como é o caso dos idosos.

Por isso, a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) vem alertando para a importância de tomar algumas precauções ao longo da estação mais quente do ano, a fim de manter o organismo e a qualidade de vida em dia. Isso porque, como esclarece a entidade, o idoso pode apresentar uma menor capacidade de se adaptar à elevação dos termômetros devido ao processo de envelhecimento, o que justifica haver uma maior atenção à saúde para evitar problemas como a desidratação e a hipertermia.

A Dra. Eliza Miranda Costa Caraline, médica Geriatra, falou a nossa reportagem sobre as medidas que devem ser tomadas nesta época do ano para garantir uma melhor qualidade de vida aos idosos. “Em primeiro lugar, é preciso haver um cuidado com a hidratação. Lembrando, porém, que o volume dessa hidratação é uma coisa muito pessoal. A gente sempre ouve as pessoas falando em beber dois litros de água por dia, mas a verdade é que essa ingestão deve ser estabelecida de maneira individualizada para cada idoso, de acordo com as doenças que por ventura estiverem presentes. Aqueles que sofrem de insuficiência cardíaca congestiva, ou têm algum problema renal, por exemplo, a demanda de água será diferente daqueles que não possuem outras doenças”, afirma a médica.

Ela conta que, no caso da hidratação, outros cuidados precisam ser tomados, pela maneira como o organismo se transforma ao longo dos anos, fazendo com que muitos idosos tenham dificuldade em beber água. “Isso porque a própria sensação de sede se altera com o processo de envelhecimento. Já ouvi paciente dizer, por exemplo, que só bebia água ao tomar os remédios do dia. Essa vontade, portanto, vai diminuindo com o envelhecimento. Sendo assim, o idoso não pode esperar sentir sede. Ele tem que se cobrar e fazer uma ingestão regular de água ao longo do dia. Já aquele idoso que é incapaz e necessita de cuidados, é importante que o cuidador forneça essa hidratação de maneira correta. Porque se for esperar o idoso sentir sede, ele não vai beber água”, frisa a médica, lembrando que a falta desse cuidado traz uma série de problemas. “O paciente pode ter complicação renal ou mesmo desidratação, que, por si só, provoca muitas outras alterações, levando até mesmo ao delírio. Às vezes, o paciente idoso pode alterar o nível de consciência por causa de desidratação, o que demonstra a necessidade de se atentar para o problema”.

Dra. Eliza destaca outras orientações importantes para o dia a dia dos idosos no verão. “Nessa época de calor, é recomendado evitar locais muito quentes, mantendo os espaços ventilados e agradáveis. A alimentação deve ser a mais saudável possível, incluindo frutas e verduras, além de evitar gorduras e frituras, para tudo ficar mais leve. Atividades físicas, por sua vez, podem e devem ser mantidas, mesmo no período de calor, tendo apenas o cuidado redobrado com a hidratação durante o exercício e com a alimentação saudável antes dele. É preciso, também, evitar horários muito quentes para fazer essas atividades, dando preferência ao início da manhã ou ao final da tarde, em que a temperatura está mais agradável, sem exposição intensiva ao sol. E, ao se expor a ele, lembrar de utilizar protetor solar, que é muito importante, independentemente da cor de pele de cada um. Todo mundo precisa ter esse cuidado de usar o filtro solar para reduzir os efeitos do sol”, ressalta Dra. Eliza.

Além de manter o acompanhamento das doenças crônicas convencionais, é necessário que o idoso esteja atento a outros problemas que podem acontecer nessa época. “A diarreia é um problema frequente no verão e, muitas vezes, acaba resultando em mais desidratação, podendo levar até à internação do paciente. Outro quadro comum é a hipotensão, que acaba se manifestando em muitos idosos, uma vez que o calor leva à vasodilatação e, com isso, a pressão arterial baixa. Muitas pessoas acreditam que o calor vai deixar com a pressão alta, mas é o contrário. A pressão sofre uma queda e o idoso sente malestar, apresenta sensação de desmaio e alguns chegam mesmo a desmaiar, por conta do calor. O importante é se prevenir para que todos tenham um verão mais tranquilo, preservando assim a própria saúde”.

A Dra. Eliza Miranda Costa Caraline, médica Geriatra
A Dra. Eliza Miranda Costa Caraline, médica Geriatra