Seu cabelo está caindo?

Muita calma nessa hora!

A médica dermatologista Dra. Thaisa Dutra

Pode já ter acontecido com você. Com o passar dos dias, ao tomar banho, você percebe que cada vez mais fios se soltam do couro cabeludo. Ou então, a calvície começa a dar sinais de que está surgindo. Calma, não há motivo para pânico. Os tratamentos para queda de cabelo evoluíram bastante nos últimos anos e, se a tecnologia pode ser uma importante aliada, o fundamental mesmo é um diagnóstico correto sobre o que está acontecendo.

Em Campos, a Clínica Pelle conta com um Centro de Tratamento Capilar, com profissionais especializados no assunto, como a médica dermatologista Dra. Thaisa Dutra, que conversou com a nossa reportagem sobre a temida queda de cabelo. “Aqui na Clínica nós temos profissionais especialistas na parte capilar, e isso nos dá segurança para o tratamento das queixas apresentadas pelos pacientes. Existem diversos livros sobre queda de cabelo, então as possibilidades são muitas, por isso é necessária uma in-vestigação correta, com uma análise detalhada do couro cabeludo, para direcionar um diagnóstico preciso e o tra-tamento adequado. Nós temos o exame do couro cabeludo, LED, MMP, protocolos para estímulo de crescimento tanto para alopecia androgenética (a famosa calvície) quanto para o eflúvio, que é aquela queda ativa, que as pessoas percebem o cabelo caindo nas mãos. E, claro, estamos falando de uma clínica médica. Então, são os médicos que vão fazer todo esse tratamento, desde a investigação laboratorial até os tratamentos que são feitos em casa, passando por aqueles realizados em consultório”.

Mas o que causa a queda de cabelo? Dra. Thaisa expli-ca. “No que diz respeito à queda de cabelo e, principalmente, calvície, existe um problema que é multifatorial: há a alteração genética, mas também outros estímulos que estão fazendo aquilo piorar. É preciso um tratamento completo para que o resultado final seja o melhor possível. Além das quedas, que são queixas frequentes, tem as doenças do couro cabeludo. E aí eu costumo dizer que existem dois grandes grupos de doenças do cabelo: aquelas que produzem queda, mas não geram outros problemas e as que, além da queda, fazem cicatrizes. Uma vez que acontece a cicatriz, não tem muito o que fazer depois. Se destruiu o folículo, que é a fábrica do cabelo, eu não consigo fazer um estímulo de crescimento depois. É irreversível. Para esse grupo de doenças é preciso entrar com o tratamento precoce, o mais rápido possível. São doenças que, em muitos casos, nem um transplante pode ser feito. Neste grupo de doenças que faz cicatriz, muitas vezes é necessário fazer biópsia, para que ela indique que doença é essa, para que o tratamento seja o mais adequado. Daí vem a importância de se contar com um médico que seja realmente especialista em cabelo, porque as doenças capilares muitas vezes se parecem muito, mas o tratamento pode ser completamente diferente”.

Dra. Thaisa fala também sobre os casos de pessoas que passam por tratamentos em salão de beleza e acabam tendo problemas depois. “Em muitos casos eu oriento ao paciente que faça o tratamento em conjunto com o próprio salão de beleza, porque a minha preocupação é manter o couro cabeludo e os fios saudáveis. Se a pessoa coloca quí-mica no cabelo, ela já tira um pouco as estruturas dele. Em alguns casos, só com o tratamento domiciliar, oral, tópicos ou de consultório, não é possível repor muito do que foi perdido, então, fazer a associação com tratamento de salão pode funcionar. Mas existem indicações precisas, pessoas que podem ou não fazer. Todo o planejamento vai depender do diagnóstico correto, que vai direcionar o tratamento”.