Confira essa dica para empreender bem!

A pandemia ocasionada pela Covid-19 pegou a todos de surpresa e, não por acaso, muitas pessoas se sentiram impelidas a empreender, mesmo em tempos de distanciamento social. Mas é natural que, nesse processo, surjam inúmeras dúvidas, fazendo os novos empreendedores se sentirem perdidos ao abrir um negócio. Para abordar um pouco o assunto, o Mania de Saúde ouviu a economista Crystall Enya, que deu importantes dicas para quem deseja abrir um negócio. Confira.

Mania de Saúde – Nos últimos tempos, os brasileiros têm empreendido mais?

Crystall Enya – Sim, o empreendedorismo segue uma crescente. Cada vez mais pessoas se dedicam a construir, desenvolver e gerir seus próprios negócios. Essa notória elevação é comprovada pelo último relatório do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizado pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP). De 2008 a 2019, o número de brasileiros com idade entre 18 a 64 anos ligados direta ou indiretamente à criação de um negócio saiu de 14,6 milhões para 53,4 milhões. Isso quer dizer que 36 em cada 100 brasileiros de 18 a 64 anos têm um negócio ou uma atividade empresarial. A escassez de empregos, antes mesmo da realidade do Covid-19, era a maior causa para esse “despertar”. Em momentos de crise, onde essa escassez toma o papel de primeiro efeito, a busca por uma alternativa de renda toma ainda mais força. Para uns, seria o aproveitamento, ao pé da letra, de uma oportunidade. Para a maioria, a busca advém de uma necessidade.

Mania de Saúde – Quais as queixas ou dúvidas mais comuns ao empreender?

Crystall Enya – É normal que muitas dessas dúvidas aconteçam antes mesmo da execução do projeto. “Por onde começar? Como definir o objetivo e o foco da empresa, inclusive meu diferencial de mercado? Terei aceitação (demanda)? Quais são os custos da operação? Como assim, custo é diferente de despesa? Preciso ter um sócio?”. Mas, a partir do momento em que se toma a execução do projeto, é preciso que tudo esteja bem contundente, e que isso aconteça baseando-se em um planejamento estratégico. Muitas das indagações que me são feitas no dia a dia decorrem da falta deste, “inutilizando” uma ferramenta de gestão que tem por objetivo mostrar a direção pela qual a empresa deve seguir, apresentando o conhecimento e a clareza sobre o seu negócio e sobre o que se pretende fazer. Dependendo do porte e área do empreendimento, começar na informalidade é um exemplo clássico, principalmente pela baixa experiência e familiaridade com a tributação. Outra pergunta que sempre escuto é: minha empresa está obtendo lucro? Isso vem, muitas vezes, pela confusão entre o patrimônio pessoal e o empresarial, fazendo com que o dono ou os sócios utilizem o dinheiro da empresa sem o devido cuidado, colocando em risco a saúde financeira do negócio. E, ainda, há importantes dúvidas sobre como fazer da comunicação um grande aliado, conhecendo as principais ferramentas disponíveis e mensurando adequadamente o dispêndio com divulgação e marketing.

Mania de Saúde – Qual a forma correta de lidar com o primeiro negócio?

Crystall Enya – Volto a falar sobre o planejamento, sobre a criação de um plano de negócios. Vamos aqui delinear e identificar a viabilidade do empreendimento. De maneira mais sólida, vamos constituir galgando, por exemplo: os custos (que são gastos que têm relação direta com a produção, vendas ou prestação de serviços). Pode-se encontrar o fixo e uma mensuração do custo variável; as despesas do negócio; o retorno previsto do investimento. Nesse ponto, é muito importante prestar atenção na origem do aporte para a constituição do empreendimento. Tanto o investimento fixo, tanto o Capital de Giro, se tomados em instituições financeiras, já geram uma dívida e, logo, uma sobrecarga mensal através dos juros; o espaço no mercado e seus possíveis clientes; os fornecedores disponíveis etc. Tenha cuidado com a organização fiscal, contábil e financeira da empresa e não confunda as finanças da empresa com as finanças pessoais. Todas essas “dicas” valem para qualquer empreendimento, de qualquer “tamanho”. Saiba calcular de maneira correta sua margem de lucro, que, por sua vez, precisa garantir que a empresa cumpra com as suas obrigações. Para isso, tenha expertise sobre seu fluxo de caixa, que é outro indicador importante e que tem total funcionalidade, pois auxilia no controle das finanças e indica se, em dado período, a empresa operou com folga ou aperto financeiro.

Mania de Saúde – Que tipos de competências você acha que precisam ser trabalhadas e, muitas vezes, o público ignora?

Crystall Enya – Bom, ter potencial empreendedor não é só ter capital ou enxergar uma oportunidade de negócio. É preciso habilidades e perfil comportamental ligado a atitudes empreendedoras. É entender o problema ao qual você quer resolver, abraçar sua ideia e manter-se firme nos seus objetivos. Não se pode esquecer de buscar o aperfeiçoamento, trabalhar para desenvolver aspectos de liderança, ter visão de negócios (manter-se atualizado no mercado, buscando informações sobre o setor e dos concorrentes) e buscar o chamado network, formando boas redes de relacionamento. Estabeleça metas, dê um passo de cada vez e “comemore” seus pequenos progressos.

Um plano de negócio é fundamental para empreender
A economista Crystall Enya