Human Instinct

Minha proposta hoje é que façamos um exercício mental bem simples. Imaginem dois irmãos gêmeos, de dois anos de idade, ambos querem o mesmo brinquedo, e para vencer nesse embate, o primeiro dá um chute no segundo, se este não reagir, o primeiro fica com o brinquedo. Mas se quem levou o chute, revidar e chutar mais forte, ele vence.
Por que eles optaram por chutar um ao outro? Porque eles não dominam nenhuma outra linguagem, nem a linguagem falada, nem a linguagem da sedução ou mesmo a linguagem da negociação, então abrem mão de seu instinto natural, a força. Isso resolve? Sim! Mas com o tempo, depois que aprendemos a falar, seduzir, negociar, entre outras técnicas de linguagem, optamos pelo “chute”, só em último caso, quando os outros meios não resolvem o conflito.
Pois bem, o que isso tem a ver com você? Pense, se você conhece apenas uma linguagem, a tendência é que você rejeite (chute) o seu sonho. Exemplo: “Eu gostaria muito de estudar fora do país, mas não falo Inglês, acho melhor deixar pra lá e investir em outra coisa”. É claro que eu estou apenas ilustrando, mas podemos concluir que, em geral, nós abandonamos os nossos objetivos, a curto ou a longo prazo, porque é mais fácil mudá-lo do que transpor o obstáculo que nos levaria até ele, para isso precisamos de esperança, de que é possível.
Você pode ser o gerador de sua própria esperança e ela virá através do conhecimento, nesse caso, eu sugiro que analise a confiabilidade do profissional e do conteúdo que vai preencher essa lacuna. Com o advento da web, sabemos que é fácil achar opções, mas avaliar o que vai funcionar para você é outra história. Portanto, seja fiel aos seus instintos e antes de dar um “chute” no seu sonho, aprenda uma nova linguagem de forma confortável. Você não é mais um bebê de dois anos, e sim um adulto promissor. A honestidade intelectual não é só a melhor, mas a única forma de chegar onde queremos.