Um novo jeito de Aprender

#estudaremcasa

Estudar em casa já virou rotina para a maioria dos estudantes em todo o país e muitos deles já se adaptaram a essa nova realidade. Mas há um determinado público que, nessa pandemia, necessita de uma atenção maior para cumprir com esse objetivo: as crianças. Afinal, mesmo que boa parte delas já esteja antenada à tecnologia, acompanhar uma aula on-line exige uma série de requisitos que vão muito além do mero uso de um computador ou de um smartphone. O principal deles é o acompanhamento dos pais.
Quem tem dado exemplo, nesse contexto, é o Colégio Centro de Estudos – Sistema PH de Ensino, cujo trabalho durante a quarentena tem feito a diferença na vida de muitas famílias. Para abordar o assunto, o Mania de Saúde entrevistou Heidy Fernandes, coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental / Anos Iniciais, que explicou como o Colégio Centro de Estudos iniciou esse formato durante pandemia.
“Desde o começo da quarentena, a gente foi fazendo um trabalho on-line gradativo, para que houvesse uma adaptação das crianças ao novo formato e, também, para que os professores pudessem ter tempo de aprender a mexer nessas ferramentas e aprender uma proposta nova de ensinar. De início, fizemos videoaulas curtas, com duração um pouco menor, mas sempre com conteúdo do livro, dando continuidade ao trabalho presencial feito pela escola. Para essas aulas, o professor teve como base o nosso material didático e lançou mão de vários recursos tecnológicos para editar vídeos com animações e incluir conteúdo adicional, a fim de beneficiar o aprendizado da criança. Depois que elas se adaptaram a esse formato, a gente entrou com as aulas ao vivo, que também enriqueceram bastante esse processo”, diz Heidy.
Segundo ela, hoje os alunos têm videoaulas diárias, que podem ser acompanhadas no horário de preferência da família. Já as aulas ao vivo ocorrem à tarde, no horário do turno que eles tinham na escola. “Em cada uma delas, os professores primam pela criatividade: usam fantasias, criam personagens, editam o cenário de acordo com o conteúdo, além de fazerem jogos e dinâmicas online para as crianças não perderem o encantamento, o que é fundamental para o aprendizado delas”, afirma a coordenadora, destacando a importância dessa atuação com os alunos em um mundo cada vez mais conectado. “A tecnologia, por si só, já exerce um certo encantamento nas crianças, que já estão inseridas no mundo digital. Mas o formato das aulas, nesse contexto, é algo novo para elas. Então, por mais que as crianças tenham habilidade de mexer no computador ou de ficar muito tempo no celular, se as aulas não forem atrativas e motivadoras, elas não vão se conectar ao conteúdo. Por isso é um cenário tão desafiador, mas que tem surtido efeito, pois os alunos estão se adaptando muito bem a esse formato”.
O feedback dos pais, de acordo com Heidy, atesta o sucesso dessa atuação. “O retorno é bem diversificado. A maioria dos pais está bem satisfeita pelo que temos feito. O desafio maior se dá pela questão do home office, porque muitos pais estão trabalhando em casa e o nosso segmento é o dos menores. Logo, toda aula online tem que ter o acompanhamento de um adulto, pois se tratam de crianças. Mas pode ocorrer de, no horário das aulas, ter um pai que está trabalhando. Então, acaba sendo um pouco complexo para ele ter que se dividir entre o trabalho e o tempo de estudo com o filho. Mas, no geral, os pais têm feito um esforço muito grande e a gente tem tido um aproveitamento bastante satisfatório por parte dos alunos. A gente percebe que os pais entenderam a proposta e estão se organizando para acompanhar as crianças. Essa parceria fez toda a diferença”, ressalta a coordenadora. “Quando aumentamos a carga horária das aulas ao vivo, por exemplo, nós enviamos uma pesquisa de opinião para os pais. A partir do resultado da pesquisa, a gente ajustou o formato, para que fosse bom para a escola, mas que também atendesse aos pais, buscando sempre atingir o maior objetivo desse trabalho: oferecer um ensino de excelência a todos os nossos alunos”.

A coordenadora Heidy Fernandes