Foi-se o tempo em que a amamentação era vista como apenas mais uma etapa na vida da mulher. Se antes as mães agiam por instinto ou seguiam conselhos de família na hora de amamentar, hoje elas podem – e devem – recorrer ao auxílio de um profissional, que fornecerá informações importantes para que a amamentação ocorra de maneira plena e saudável ao bebê. 
Até porque é no leite materno que a criança encontra todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Justamente por isso, é fundamental que a amamentação seja bem orientada, tanto para preservar a saúde da mãe, quanto para garantir a lactação ao recém-nascido. 
É nesse contexto que o Ministério da Saúde chama a atenção para o Teste da Linguinha, um exame técnico e padronizado, cujo objetivo é diagnosticar precocemente as limitações dos movimentos da língua, que podem comprometer a sucção, mastigação e deglutição, funções de extrema importância para o desenvolvimento do bebê. O protocolo permite intervir em caso de problema e busca assegurar uma amamentação adequada à criança.
O Mania de Saúde acompanhou uma consulta de rotina com a cirurgiã-dentista e periodontista Dra. Luciana Barbosa, que atendeu a auxiliar administrativa Lorena Tavares e o pequeno Laerte para a avaliação da boca e da amamentação. Ela destacou a importância do Teste da Linguinha em nosso contexto de saúde. 
“O Teste da Linguinha surgiu para identificar as alterações da língua que podem causar o desmame precoce. O bebê que não utiliza a protrusão da língua para fazer a sucção do leite vai acabar compensando essa carência por meio de uma apreensão mais forte do rebordo gengival. Isso pode resultar em um trauma mamilar, gerando lesões mamárias que não cicatrizam, fissuras recidivas e a mãe sente uma dor muito forte ao amamentar, além do risco de mastite e diminuir a produção de leite. Já a criança pode ficar irritada, perder peso e a mãe acaba tendo que complementar utilizando fórmula. Ou seja: o exame ajuda a evitar diversos problemas, entre eles, o mais importante, que é o desmame precoce”, diz Dra. Luciana.
Segundo ela, apesar de o exame da boca fazer parte do exame clínico do pediatra neonatologista que faz a sala de parto do bebê, a triagem neonatal para anquiloglossia (Teste da Linguinha) é fundamental, pois avalia simultaneamente a mãe, a amamentação e as características anatômicas bucais do bebê. “Após essa primeira avaliação, a mãe deve realizar uma consulta de seguimento a nível ambulatorial, para verificar o desenrolar da amamentação e da língua do bebê. Mesmo se a criança não tiver alteração alguma, é importante fazer essa consultoria, para saber mais sobre amamentação, introdução alimentar, higienização, entre outros temas importantes para o desenvolvimento da criança. O odontopediatra faz esse acompanhamento, especialmente o profissional qualificado em odontologia neonatal, que tem uma atuação bem específica na amamentação e no binômio mãe e filho”, orientou.
Conforme alerta o próprio Ministério da Saúde, é importante que os pais estejam bastante atentos a essa abordagem, porque hoje há uma grande preocupação com o aleitamento materno devido às consequências na vida adulta. 
Afinal, a falta dessa amamentação pode prejudicar o desenvolvimento do bebê inclusive cognitivamente. Por isso é essencial saber todos os cuidados inerentes à amamentação para preservar a saúde da criança e garantir o seu devido crescimento.

Texto produzido em: 22/04/2019