A participação da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Segunda Guerra Mundial é um dos temas históricos de maior relevância no país. Não por acaso, serviu de base a filmes, documentários e livros, sobretudo de grandes nomes da literatura e do jornalismo brasileiro, como Rubem Braga e Joel Silveira (que, aliás, integraram a FEB como jornalistas). Isso porque os famosos pracinhas foram e voltaram cheio de histórias. Ainda bem que há pessoas dispostas a ouvi-las e transformá-las em conteúdo histórico, visando o interesse social e coletivo das futuras gerações.
O professor Dr. Luiz Claudio Duarte, do Departamento de História de Campos – CHT/UFF, por exemplo, está com dois orientandos do Departamento interessados em pesquisar e escrever sobre a participação de soldados dos municípios do Norte Fluminense (Campos dos Goytacazes, Carapebus, Cardoso Moreira, Conceição de Macabu, Macaé, Quissamã, São Fidélis, São Francisco de Itabapoana e São João da Barra) mais o município de Bom Jesus do Itabapoana (Noroeste Fluminense) na Força Expedicionária Brasileira (FEB) durante a Segunda Guerra Mundial. “Também interessa-nos a história das mulheres desses municípios que tenham servido na FEB. Solicito ajuda na localização de ex-pracinhas para entrevistas e contatos com familiares que possam nos ceder para consulta (com compromisso de devolução) documentos como correspondências do período da guerra, fotos, diários etc. Essa memória dos municípios citados está se perdendo e a história desses homens e mulheres que contribuíram com o esforço de guerra do Brasil e com a luta contra o fascismo esquecida”, disse ele, em comunicado enviado ao jornal.
Se você tem algum parente ou conhecido que fez parte da FEB, participe e ajude a construir essa memória. Contatos podem ser feitos com Gabriel Motta – (22) 999356303 – mottagabriel10@gmail.com; Lucas Pontes – (22) 998994685 – lucas.rukazu8@gmail.com ou pelo e-mail: l_c_duarte@id.uff.br.

Texto produzido em: 20/11/2017