A história de Campos é repleta de profissionais que se destacam nas mais variadas áreas. Alguns, inclusive, podem se dar ao luxo de entrar para a História. É o caso, por exemplo, da campista Cirlene Ramos Luciano. Ela possui uma longa trajetória de serviços prestados ao país, que lhe renderam uma grande homenagem dentre as muitas que recebeu: a da Soberana Ordem do Mérito Empreendedor Juscelino Kubitschek no Grau Cavalheiresco de Comendadora, com Diploma e Medalha. Isso porque ela trabalhou 47 anos junto à família do ex-presidente Juscelino Kubitschek e Dona Sarah Kubitschek, onde vivenciou, in loco, grandes momentos da história nacional, como ela conta nesta entrevista exclusiva ao Mania de Saúde. 
Mania de Saúde – Antes de tudo, poderia traçar, resumidamente, a trajetória da Sra.?
Comendadora Cirlene Ramos Luciano – Estudei no Grupo Escolar João Pessoa e formei-me como Professora na Escola Industrial Nilo Peçanha. No Rio de Janeiro, como funcionária pública, exerci o cargo de Oficial de Administração da Secretaria do Estado de Educação e Cultura. Cursei Administração de Empresas e formei-me em Técnico de Contabilidade, Técnico e Secretariado, Estenografia-Taquigrafia, e outros cursos profissionalizantes oferecidos pela Escola de Serviço Público do Estado. Ainda pelo Estado do Rio de Janeiro, fui aprovada em vários concursos públicos realizados pelo governo. Trabalhei como Secretária Executiva no Conselho Regional de Medicina, no Serviço de Meteorologia do Ministério da Agricultura e, posteriormente, fui nomeada para trabalhar na Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro, atuando no Departamento de Educação de Adultos. Concomitante à minha atividade na Secretaria de Educação, surgiu à oportunidade para trabalhar como assessora particular de Dona Sarah Kubitschek, primeira-dama do país, esposa do Presidente Juscelino Kubitschek, a quem também assessorava. A convivência com Dona Sarah Kubitschek e família tornou-se motivo de orgulho. Além das atividades inerentes a uma secretária, era o fato de que estava, também, vivenciando um momento histórico. Algo que iria fazer parte de minha vida e, consequentemente, da História do Brasil – palavras ditas pelo próprio Presidente JK. Atuei junto à família Kubitschek durante 47 anos. Com o falecimento do Presidente JK e de Dona Sarah Kubitschek, transferi-me para o Memorial JK, onde ocupei o cargo de Diretora Executiva do museu por mais de 17 anos, com a incumbência maior de preservar a história e defender os ideais políticos democráticos do Presidente JK, além de receber e assessorar autoridades de todas as casas militares armadas e autoridades civis do mundo.
Mania de Saúde – Como foi trabalhar com JK?
Comendadora Cirlene Ramos Luciano –
Primeiramente fui contratada para secretariar a 1ª Dama, Dona Sarah Kubitschek. Como exercia minhas funções na residência, consequentemente acabei secretariando também o presidente JK. Tive a honra e o privilégio de conhecer e conviver de perto com personalidades como: Dr. Tancredo Neves, a escritora Clarice Lispector, o gênio da arquitetura Oscar Niemeyer, muitos artistas importantes para a música popular brasileira como: Antônio Carlos Jobim e Vinícius de Moraes e muitos outros que despontavam naquela época, principalmente os grandes artistas da Bossa Nova, pois o Presidente JK era conhecido como o Presidente Bossa Nova. Em geral, o mundo das Artes, das Letras e da política brasileira. Muito me orgulhou e me trouxe um aprendizado incomensurável e singular.
Mania de Saúde – Com tudo o que a Sra. viveu no Brasil daqueles anos, bem próximo de JK e Dona Sarah, como acha que eles estariam vendo o país hoje? De que forma JK enxergaria o legado que ele deixou? É possível realizar esse exercício de imaginação?
Comendadora Cirlene Ramos Luciano –
Com muita tristeza, pois o Presidente JK era essencialmente um democrata, empreendedor e um desenvolvimentista. Brasília representava para ele o futuro do país. Vislumbrava a interiorização do Brasil e o desenvolvimento para o Centro-Oeste brasileiro. Falava sempre que o brasileiro só olhava para o litoral e, com a transferência da capital, certamente se voltaria para o Centro-Oeste. Trouxe esperança para aquela região e para aquele povo, além do desenvolvimento ligando o Norte ao Sul, apresentando o Brasil para os brasileiros. Hoje certamente não estaria feliz.
Mania de Saúde – Poderia nos falar sobre o trabalho no Memorial JK? Qual a importância da instituição e como a Sra. vê a preservação da memória das grandes personalidades da história nacional?
Comendadora Cirlene Ramos Luciano –
Fui Diretora Geral do Memorial por cerca de 15 anos. Relações Públicas recebendo visitas oficiais internacionais e toda sorte de turistas que visitam o museu diariamente. Ele tem por finalidade defender os ideais políticos e democráticos do Presidente JK. O Memorial foi construído num governo adverso, porém, os brasileiros se entusiasmaram de tal forma que as doações para sua edificação foram unânimes. Infelizmente, neste país, a história não é preservada como merece e deveria.
Mania de Saúde – Tem alguma lembrança pessoal do ex-presidente?
Comendadora Cirlene Ramos Luciano –
Tive a honra de ter o Presidente JK e a Primeira-Dama Sra. Sarah Kubitschek como compadres, pois batizaram minha filha Maria Victória na mesma igreja em que eles se casaram – Nossa Senhora da Paz em Ipanema – RJ. Igreja esta sugerida pelo casal, para que o batizado ali se realizasse. 

Texto produzido em: 14/07/2017