A amamentação é um momento mais do que especial para a mãe e para o bebê. Mas, em que pese toda a magia desse instante tão esperado pelas mulheres, o ato de amamentar pode produzir alguns problemas que, muitas vezes, assustam as mães de primeira viagem. As alterações ocorridas durante esse processo, em vários casos, resultam em dor nas mamas, sensibilidade aumentada, sensação de desconforto, fissura mamária, rachaduras mamilares e até mesmo sangramento. A boa notícia é que esses problemas têm tratamento rápido, pontual e indolor, por meio da laserterapia de baixa intensidade, deixando as mulheres mais seguras nessa etapa tão importante da vida.
Quem nos fala desse método é a fisioterapeuta Dra. Cássia Teixeira, especialista em Fisioterapia Dermatofuncional, que realiza esse tipo de tratamento em seu consultório. “Muitas mulheres, quando iniciam a amamentação, enfrentam dores, fissuras nos mamilos ou algum desconforto maior, por conta da pega equivocada do bebê. A maioria desses machucados pode ser tratada apenas com pomadas e também é recomendado que a mulher tome sol e deixe os seios respirarem. Mas, nos casos em que a cicatrização demora mais ou as fissuras são muito grandes, ela pode recorrer ao tratamento à laser de baixa potência, que pode ser de grande eficácia nesses casos”, diz Dra. Cássia.
Segundo ela, a anatomia dos mamilos pode facilitar ou dificultar o processo de adaptação do aleitamento materno e muitas mães deixam de amamentar precocemente devido a essas fissuras e rachaduras que podem aparecer nessa área. “A lesão mamilar pode ser causada por um manejo inadequado no processo de aleitamento materno, como, por exemplo, uma pega inadequada, uma sucção ineficaz, um deslocamento da abocanhadura ideal durante a mama, entre outros. Mas o avanço científico ofereceu uma alternativa para essas mulheres tratarem o problema. O laser utilizado em cirurgias, na depilação e em alguns procedimentos estéticos, por exemplo, são os de alta potência, ou seja, possuem uma alta concentração de energia. Os utilizados em laserterapia são chamados de laser de baixa potência e possuem intensidade bem menor. Essa técnica não é nova, mas a aplicação na amamentação começou a ganhar mais evidência há uns 2 anos para tratamento de lesões de pele e, na ferida aguda, interfere em várias situações, favorecendo a evolução mais rápida do processo inflamatório, com efeito anti-inflamatório, bioestimulante, antiálgico e reparador. É esse método que vem sendo utilizado em lesões mamilares com excelentes resultados”, conta a fisioterapeuta. “A aplicação do laser é uma estratégia para melhora rápida da lesão, favorecendo sua cicatrização, porém a avaliação da mamada é indispensável! É preciso entender a causa para podermos indicar as intervenções necessárias e o tratamento. Ambos devem ser realizados sempre pelo profissional especializado”, complementa Dra. Cássia, fazendo um alerta importante. “Se o motivo da lesão persistir, a cicatrização continua comprometida. O laser funciona como uma assistência complementar ao tratamento das lesões e, hoje, pode beneficiar todas as mães com indicação para fazê-lo”.

Texto produzido em: 24/04/2018