Dizem que a solidariedade é um gesto cada vez mais raro no mundo de hoje. Quem conhece a APAE de Itaperuna sabe que a instituição contraria essa ideia. Afinal, desde que foi fundada, há quase meio século, a APAE de Itaperuna vem recebendo o auxílio de inúmeros itaperunenses, que enxergam a relevância do trabalho da associação em prol da pessoa com deficiência e a sua devida inclusão social. 
Para 2019, a expectativa da entidade é fortalecer esses laços, para que a APAE consiga avançar no trabalho junto aos assistidos, como contou ao Mania de Saúde a presidente Terezinha de Fátima Silva Faria. “Nós somos muito gratos pela participação dos itaperunenses. Sempre que a gente precisa, a sociedade nos ajuda, por meio de campanhas de arrecadação, doação de material de limpeza, gêneros alimentícios, além do auxílio dos sócios, que é fundamental para fazer frente a nossa APAE. Quanto mais sócios nós temos, mais conseguimos fazer pelos assistidos. Nossa meta é reforçar ainda mais essa relação”.
Contando hoje com mais de 400 assistidos, a APAE de Itaperuna se orgulha de ter recuperado, em 2018, o convênio com a FIA, que havia sido interrompido anteriormente, mas que agora está em vigor até 2020. Mas a luta não para por aí, como diz a diretora executiva Maria Eli Resende Poeys. “Nossa intenção, para este ano, é expandir o número de sócios, porque as despesas de manutenção são altas. Temos mais de 80 funcionários. São várias equipes multiprofissionais, com fonoaudiólogos, psicólogos, pedagogos, que têm uma carga horária específica. Cada profissional possui a sua disponibilidade de acordo com seu conselho de classe. Além disso, temos o núcleo da Cehab. Como são dois locais diferentes, a manutenção é aqui e lá. O trabalho, portanto, acaba sendo em dobro. Por isso queremos ampliar a rede de sócios, fazer mais eventos, para manter o trabalho e a qualidade em prol dos assistidos”.
As campanhas de arrecadação, por sua vez, são sempre bem-vindas, como lembra a diretora. “Um aspecto importante da APAE é que recebemos muitos itens de campanhas de algumas instituições na cidade. Em 2018, tivemos um aporte grande de gêneros alimentícios por parte de uma Cavalgada, que foi realizada em maio e onde os organizadores pediram 1 kg de alimentos aos participantes. Isso deu quase uma tonelada e meia. Logo em seguida houve o Redentor Games e também veio uma boa quantidade de alimentos. Foi o que nos amparou durante o ano. Nossa expectativa é aumentar esse tipo de ação. A APAE sempre foi abraçada com carinho pela comunidade e a intenção é reforçar isso para ajudar quem tanto precisa”.

Texto produzido em: 14/02/2019