Os especialistas são unânimes em dizer que é preciso se preparar para o envelhecimento. Até porque ninguém fica velho da noite para o dia. Envelhecer engloba uma série de questões de ordem pessoal e social, que podem e devem ser trabalhadas para garantir um futuro melhor, sobretudo no que tange à saúde. Pensando nisso é que surgiu, em Campos, a Clínica EnvelheSer. Ela trata o processo do envelhecimento de forma interdisciplinar e leva qualidade de vida a quem deseja envelhecer preservando a autonomia e a independência.
A clínica conta com um corpo médico formado pela geriatra Dra. Deborah Casarsa, pela neurologista Dra. Luiza Lopes e pela psiquiatra Dra. Lana Maria, além da atuação da nutricionista Dra. Laura Vieira e da neuropsicóloga Dra. Andreia Maciel, que se uniram depois de enxergar algumas carências nessa área, como conta, ao Mania de Saúde, Dra. Deborah Casarsa, diretora técnica da clínica. 
 “A EnvelheSer foi criada a partir de experiências obtidas em diversos setores da área médica. Tive, por exemplo, a oportunidade de ser gestora, de trabalhar na assistência, no atendimento direto ao paciente e de fazer auditorias, vivenciando, então, os três vértices da medicina. Além disso, coordenei durante quase 14 anos um plano de saúde local em Campos, dirigi as unidades pré-hospitalares do município no SUS e fundei há 10 anos o Centro de Doença de Alzheimer e Parkinson (CDAP) no SUS, somando, assim, muitas experiências dentro da saúde pública e privada, mas sempre vislumbrando uma carência muito grande no que diz respeito às doenças neurodegenerativas, principalmente a doença de Alzheimer, bem como outras síndromes demenciais. Muitas  vezes, a inexperiência resultava em diagnósticos que não eram exatamente aquilo que o paciente descrevia. Para ampliar essa visão do processo do envelhecimento e tratá-lo com o devido amparo médico e científico é que criamos a EnvelheSer”, disse.
Ao unir três especialidades médicas, a clínica auxilia no diagnóstico precoce das doenças neurodegenerativas, que têm aumentado na sociedade. E o tratamento se enriquece, também, com a atuação da neuropsicologia, a exemplo da Dra. Andreia Maciel, que faz a avaliação neuropsicológica dos pacientes da EnvelheSer. “São testes cognitivos bastante direcionados para memória e funções executivas, porque a missão da EnvelheSer é garantir a autonomia e a independência do nosso idoso. Afinal, a gente entende que envelhecer sem esses dois pilares não é o envelhecimento que desejamos para o nosso paciente”, disse Dra. Andreia.
O trabalho da nutricionista Dra. Laura Vieira também aprimora o atendimento, já que a avaliação nutricional é de suma importância não só por conta dos pacientes com síndromes demenciais ou pela própria fragilidade do idoso, mas também pelas patologias ocasionais, como doença diverticular, anemia falciforme, anemia ferropriva, desnutrição, falta de força muscular, entre outras. 
É importante ressaltar, entretanto, que a EnvelheSer não restringe sua atuação ao idoso. Ao abordar o envelhecimento como um processo, conforme ressalta Dra. Lana Maria, a EnvelheSer acaba indo muito além. “A gente trabalha com o ser envelhecente, como sugere o próprio nome da clínica. Então, além das doenças neurodegenerativas, o foco da EnvelheSer são também as doenças do sistema nervoso central, como depressão, ansiedade, transtorno bipolar e até Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) no adulto, algo, inclusive, que muita gente desconhece”, frisa a psiquiatra. “Ainda que o nosso paciente primário seja o idoso, a gente acaba atendendo todo mundo, porque as doenças do sistema nervoso central aparecem em diferentes idades. Temos, por exemplo, pacientes de 15 anos na clínica. O atendimento, aqui, é amplo, porque todos precisam envelhecer mantendo a saúde física e mental. É isso que buscamos em nosso trabalho”, disse Dra. Lana, lembrando que há uma psicóloga atuando com terapia cognitiva comportamental para auxiliar os pacientes. 
A prova de que a EnvelheSer está preocupada com o envelhecimento como um todo poderá ser vista em abril, com a realização de uma Oficina Inovadora da Memória. “Estudos recentes apontam que o diagnóstico da doença de Alzheimer é pré-clínico. Ou seja: antes dos sintomas aparecerem, nós já temos que começar a cuidar. Vamos, então, realizar a Oficina Inovadora de Memória, que será encaminhada pelos profissionais da clínica”, disse Dra. Deborah. 
Para quem tiver interesse, a EnvelheSer está com as inscrições abertas para a Oficina Inovadora de Memória, na certeza de que a demanda será superior às expectativas. Que tal participar e garantir mais saúde?

Texto produzido em: 11/12/2017