O RPG é um tipo de fisioterapia que foi desenvolvido na França pelo terapeuta Phillipe Souchard e foi trazida ao Brasil na década de 1980. Ela procura alinhar todas as estruturas com articulação no corpo, como é o caso da coluna, da cabeça, do quadril e dos membros. Para alcançar essa melhora na postura também é necessário aumentar a resistência dos músculos. Durante esse tratamento de fisioterapia, o paciente é colocado em diferentes posições, combinando a respiração para alinhar as estruturas e aumentar a flexibilidade do corpo com alongamentos.
A fisioterapeuta Nathália Miranda, do studio Ativa Pilates, nos explica mais sobre o assunto. “A sigla RPG significa Reeducação Postural Global. É um tratamento que pode ser utilizado para desvios posturais como escolioses, hiperlordose e hipercifose, trabalhar desvios de joelhos, de pés, além de reabilitação articular. Quem tem bursite ou tendinite também pode ser beneficiado pelo RPG, porque às vezes acontece de a pessoa ter essas lesões por uma questão de postura”. 
Nathália prossegue explicando no que consistem as sessões do método. “O RPG é postura estática, onde o fisioterapeuta vai dando comando para o paciente executar de acordo com o músculo que está sendo trabalhado, com o uso da respiração o tempo todo, porque ela acaba sendo um facilitador para realizar as correções, além de ajudar a alongar um ligamento que nós temos desde a cabeça até a lombar. A gente pede sempre a indicação médica para que o paciente já venha com os exames complementares, como raio-X, ressonância, tomografia; desta forma nós temos como fazer um antes e depois para saber a evolução daquele quadro. Mas se for apenas uma readequação postural leve, a gente consegue fazer mesmo sem a indicação direta. Não tem restrição de idade, até crianças podem fazer, porque muitas vezes elas começam a ter algumas alterações posturais, como a escoliose, e o ideal é trabalhar isso antes do pico de crescimento, porque aí é possível consertar o problema. Depois do pico de crescimento, a gente consegue amenizar apenas. Os pais devem ficar atentos a isso. E para os idosos também é muito interessante, porque a tendência é que, com o passar dos anos, a pessoa vá encurvando para a frente, e nós conseguimos trabalhar para amenizar esse quadro”. 
A fisioterapeuta ainda fala sobre os benefícios que o paciente sente após iniciar o tratamento. “Até à quinta sessão, o paciente percebe alívio das dores e dos sintomas, além de começar a perceber que o que está sendo feito nas sessões de RPG é a postura correta, ganhando consciência corporal. O número de sessões pode variar de acordo com cada caso, mas são, no mínimo, dez”. 
Para finalizar, perguntamos para Nathália se o RPG e o Pilates podem ser associados. “Em alguns casos eu preciso tirar a pessoa do Pilates para colocar no RPG primeiro, para poder aliviar a dor e fazer o trabalho postural. Em outros casos, quem chega para fazer o RPG, eu coloco logo no Pilates, até mesmo antes de finalizar todas as sessões. O Pilates complementa o término do tratamento do RPG”.

Texto produzido em: 17/07/2017