O médico alergista Dr. Antônio Petrucci

Pacientes devem buscar um médico alergista para a realização de exames e, assim, evitar problemas com o uso do protetor solar .

Aliado indispensável no verão, o protetor solar pode causar alergia em algumas pessoas. O ideal, antes de ir ao dermatologista, é fazer o teste de contato com um médico alergista para diagnosticar a sensibilidade a determinados produtos químicos. Os protetores solares que contém PABA (ácido para-aminobenzóico) são os que causam mais reações alérgicas.
A causa da alergia geralmente está associada à incompatibilidade do produto com o tipo de pele. Por isso, antes da compra, é importante ficar atento aos produtos químicos usados na composição e que são detalhados na embalagem. O usuário pode ter dermatite de contato ou erupções cutâneas causadas por alergia a componentes químicos.

“O dermatologista é quem vai receitar o protetor solar para cada tipo de pele, mas a sugestão é que o paciente procure um médico alergista para realização de exames. Há duas baterias de testes de contato, uma padrão, com 30 substâncias, e a outra, com dez, de produtos cosméticos. Com esses exames, a pessoa já vai saber o que pode e o que não pode usar, e assim será melhor orientada pelo dermatologista”, afirma o médico alergista Dr. Antônio Petrucci.
Se há dúvidas quanto à alergia com relação a filtros solares, o ideal é optar por produtos com uma fórmula sem fragrância feita para peles sensíveis ou por fórmulas que contenham agentes bloqueadores físicos, que ficam na pele ao invés de serem absorvidos por ela.

“Os protetores hipoalergênicos estão em alta no mercado e são recomendados em vários casos pelos dermatologistas por não possuírem substâncias conservantes que são os principais responsáveis pelas reações alérgicas”, destaca Dr. Petrucci.
Como cada organismo reage de forma diferente, algumas pessoas podem ter reações imediatas às substâncias e outras não. O fator que desencadeia a reação depende de cada organismo, mas geralmente está ligado à quantidade utilizada e à frequência do uso. Para todos os efeitos, é mais seguro e indicado se consultar com um médico.

Texto produzido em: 13/10/2014