Finalizando o ano de 2017, o Mania de Saúde segue seu compromisso com o leitor de trazer sempre entrevistas que são de interesse da comunidade como um todo. Desta vez, nossa equipe de reportagem esteve no gabinete do prefeito de Itaperuna, Dr. Marcus Vinícius de Oliveira Pinto, que fez uma avaliação deste primeiro ano de gestão e ainda falou um pouco sobre as perspectivas para o próximo ano. Confira. 


Começo da gestão – “Era tudo muito novo, foi um desafio grande. A gestão anterior vinha de uma crise que dura até hoje. A prefeitura estava em um estado de caos, com uma dívida muito grande. Escalei uma equipe nova e, nos meses de janeiro e fevereiro, tivemos algumas dificuldades. Mas graças a Deus superamos esses problemas. Por exemplo, mesmo em janeiro, nós conseguimos reativar o Poliesportivo e fazer uma colônia de férias com mais de 3 mil crianças. A cidade tinha muito buraco, mas nós estamos arrumando. Colocamos médicos em todas as UBSs e dobramos a quantidade de médicos no Raul Travassos. Além disso, o povo confia no nosso governo e está acompanhando o que estamos fazendo. As pessoas viram que pegamos uma cidade muito abandonada e agora está sendo cuidada. A parte alta da cidade, como Horto, Castelo, Marcatempo, era completamente esquecida. E nós entramos limpando, fazendo rede de esgoto, que nos deu muito trabalho, porque eram aquelas manilhas de barro, que nós trocamos. No Aeroporto, era impossível subir. Hoje os caminhões de supermercado vão até a última casa. Falta muita coisa ainda, mas são apenas 11 meses de governo.


Educação – “A educação está exemplar. Nós mudamos a merenda, que agora está muito boa. No começo das aulas, nós fizemos uma coisa que governo nenhum fez, que foi o kit escolar. Os pais já estão ligando, perguntando se ano que vem vai ter e eu digo que, com certeza, sim. E o material é de primeira qualidade. Foram 12 mil kits distribuídos na rede pública. É algo inédito na região Noroeste. Tivemos a prova do IDEB. O nono ano nunca bateu meta. Para fechar o ano com chave de ouro, estamos aguardando um ótimo resultado. Todos os alunos falaram: ‘tio, nós fomos excelentes na prova’. Nós fizemos reforço com essa galera, preparamos eles”.


UPA – “Quando assumimos, era uma confusão danada. Nós terceirizamos a UPA e os funcionários hoje recebem em dia, com décimo terceiro, férias e fundo de garantia. Não tinha isso. Era tudo RPA. A nossa UPA foi eleita recentemente como a melhor do Estado do Rio. Antes, havia uma dificuldade de internar pacientes da UPA no Hospital. Hoje nós temos uma relação excelente com o hospital e o paciente não espera mais o tempo enorme que esperava antes para a internação. Em termos de organização, atendimento e humanização, está dando um show. E outra coisa: o estado não repassa um real para a UPA. Está nos devendo R$ 4 milhões. Quem está mantendo a UPA é a prefeitura e os recursos do governo federal”. 


Brasília – “Nossas idas à capital federal têm sido muito proveitosas. Assim que nós começamos esse processo, percebemos que lá as pessoas não conheciam o prefeito de Itaperuna, não havia esse costume. Eu vou pelo menos uma vez ao mês e sou sempre bem recebido. O resultado são as emendas que estão caindo na conta do município. Esse desfalque do governo do Estado na UPA tem sido amenizado pelos recursos que nós estamos conseguindo junto ao governo federal. Hoje nós temos o presídio, o IML e a delegacia, que a prefeitura tem que ajudar, porque senão fecha. Seria responsabilidade do estado. Nossa folha de funcionários está em dia e já pagamos a segunda parcela do décimo terceiro de 2017”


Obras – “As pessoas estão vendo que as obras não param. Buracos sendo tapados, limpeza urbana, bairros que nunca foram vistos porque a limpeza era feita só no centro, hoje estão limpos. Tudo dentro das nossas possibilidades. Eu sempre disse e repito que vamos fazer uma política com o pé no chão. Não adianta prometer aquilo que é impossível cumprir. Se eu não posso asfaltar a sua rua, pelo menos os buracos eu vou tapar. Porque eu dependo de verba e isso vai vir. Nós vamos colocar a cidade do jeito que o itaperunense merece. Nós pegamos a cidade muito abandonada. Não tinha um bairro que nós pudéssemos dizer: ‘esse não precisa mexer’. Todos tinham questões sérias a serem tratadas”


Turismo e Cultura – Nossa festa de Dez de Maio, mesmo com pouco recurso, tivemos mais de dez mil pessoas participando. Logo em seguida fizemos um rodeio que Itaperuna nunca teve. Há mais de oito anos que não tínhamos o MotoFest e o sucesso foi nacional. Isso movimenta o setor hoteleiro e os demais serviços como restaurantes, bares, comércio. O acesso ao Cristo Redentor, nosso principal ponto turístico, era péssimo. O caminho agora está limpo, arrumamos o calçamento. Lá em cima estava abandonado, hoje tem uma pessoa lá só para a limpeza. A gente está conversando com a empresa de ônibus para sábado e domingo termos uma linha exclusiva para aquele ponto em vários horários. É preciso ainda melhorar a sinalização, mas já mandamos fazer uma licitação para as placas. No verão já vai estar tudo direitinho, porque, como estamos em uma cidade quente, um ponto como o morro do Cristo é um refrigério, porque venta bastante”.


Relação com a população – “Estou aqui no gabinete porque marquei com vocês, mas eu sou um prefeito de rua. Uso muito as redes sociais. O último vídeo que eu fiz teve mais de 92 mil visualizações (Itaperuna tem cerca de 99 mil habitantes, segundo dados do IBGE). O povo me vê na rua e eu procuro ser transparente com a população. Como gestor, dou a minha cara a tapa. De janeiro até hoje estive em todos os bairros e na zona rural, onde já fizemos cinco pontes. Nenhum distrito hoje fica abandonado. Tinha ponte em Raposo que a população esperava há mais de 30 anos e com seis meses de governo nós fizemos. Boaventura hoje tem uma fábrica que gera mais de 700 empregos e é conhecida como a ‘capital da bermuda’ em todo o país. Era estrada de chão e estamos entregando o calçamento. Nós colocamos os subprefeitos de cada distrito, que moram lá. Temos médicos em Raposo todos os dias. E as redes sociais são importantes ferramentas nessa comunicação com a população”. 


2018 – “Eu trabalho com o pé no chão. A perspectiva financeira é a mesma de 2017. Mas nós colocamos algumas metas para o ano de 2018, como manter a cidade limpa, estimular a chegada de indústrias, como por exemplo a empresa de gás que está chegando a Itaperuna. É uma energia mais barata e os postos de combustível terão o gás direto. Isso estimula a chegada de novas empresas. Estamos com uma parceria com o Sebrae para incentivar o pequeno empresário. Outra meta é a ponte do bairro Frigorífico. Temos que finalizar essa obra. Queremos inaugurar logo no começo do ano o Centro Pediátrico em frente ao Centro Médico na Rua Dez de Maio. Serão cinco pediatras atendendo todos os dias”. 

Texto produzido em: 14/11/2017