Dra. Márcia Cristina da Cruz

O dia 9 de setembro é de festa para os médicos veterinários. Foi nesta data, em 1933, que o então presidente Getúlio Vargas assinou o decreto de regularização da profissão e do ensino da medicina veterinária no Brasil. 

O Mania de Saúde, em homenagem à categoria, foi ouvir de duas veterinárias – Dras. Márcia Cristina da Cruz e Raquel Reis – o que as levaram ao caminho da medicina veterinária e como se dedicam aos animais.

Em comum, Dra. Márcia, Dra. Raquel e quase todos os veterinários têm amor pelo que fazem. A motivação delas para escolher a profissão foi a ligação afetiva com os animais desde a infância. Elas não se imaginam fazendo outra coisa que não seja cuidar daqueles que levam alegrias e são companhias aos seres humanos.


Dra. Raquel Reis

“Sempre alimentei o sonho de ser veterinária, e foi com muito esforço que passei no vestibular da Uenf. Sofri um acidente e fiquei quase um ano sem andar, mas nunca perdi o foco. Consegui me formar e fui estagiar em uma das principais clínicas do Rio de Janeiro. Voltei para Campos, conclui minha pós-graduação em clínica e cirurgia de pequenos animais e agora trabalho em uma clínica própria. Trabalhar com animais me faz feliz”, contou Dra. Raquel.

“Ser veterinária é como se fosse um dom. Acredito que Deus me escolheu para cuidar dos animais. Cursei zootecnia, mas não me satisfez. Voltei a estudar, cursei veterinária, fiz mestrado e doutorado, e amo fazer o que faço. Faria tudo de novo. É a profissão mais linda e emocionante que existe. É um sentimento diferente cuidar de um ser irracional, mas que transmite bastante emoção”, disse Dra. Márcia.

Mas engana-se quem acredita que, para ser um médico-veterinário, basta um amor profundo por animais. É necessária uma dose de equilíbrio emocional, além de coragem, disciplina e determinação. Se, há alguns anos, era raro ouvir falar em dermatologia canina, hoje é extremamente comum existirem oftalmologistas veterinários, dentistas e outras especialidades.
“É um mercado em crescimento. Acredito que o aumento do número de clínicas e pets se deve à demanda. Hoje, muita gente tem um animal de estimação e o trata como um verdadeiro filho”, opinou Dra. Raquel, corroborada por Dra. Márcia. “O médico veterinário passou a ser mais valorizado e reconhecido devido à necessidade. Quem tem cão ou gato procura dar o que tem de melhor e aí buscam os veterinários”.

A medicina veterinária não se limita apenas aos tratamentos clínicos de cães e gatos. Há quem opte por trabalhar em prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças de animais, na área da saúde pública, impedindo a infestação de pestes e transmissão de doenças para os humanos, na inspeção de produtos de origem animal e na busca pelo aumento da produtividade e da qualidade dos alimentos ofertados para os consumidores. No geral, a atuação do médico veterinário pode ser dividida em quatro áreas: a clínica médica de animais de companhia; a saúde pública através do controle de zoonoses e inspeção sanitária; a criação e a produção de animais voltados ao consumo; e o desenvolvimento de estudos e pesquisas.

Texto produzido em: 21/08/2015