Uma das doenças mais comuns em mulheres após o período da menopausa, a osteoporose se caracteriza pela diminuição de massa óssea, com o desenvolvimento de ossos ocos, finos e de extrema sensibilidade, tornando-os mais sujeitos a fraturas. Nossa reportagem conversou sobre a doença com o médico Dr. Demétrio Waked, ortopedista e traumatologista.
O médico começa explicando a definição da doença. “A osteoporose é uma doença osteometabólica, caracterizada por diminuição progressiva da massa óssea, com modificações na arquitetura trabecular, levando à diminuição da resistência óssea e a um maior risco de fraturas. Existem dois tipos da doença. O Tipo I é de alta reabsorção óssea, decorrente de uma atividade osteoclástica acelerada – a osteoporose pós-menopausa, geralmente apresentada por mulheres mais jovens, a partir dos 50 anos. O Tipo II é de reabsorção óssea normal ou ligeiramente aumentada, associada a uma atividade osteoblástica diminuída, com formação óssea reduzida – a osteoporose senil ou de involução, mais frequente nas mulheres mais idosas, a partir dos 70 anos, e também no homem. Quando a mulher entra na menopausa, pelo balanço hormonal ela começa a absorver menos o cálcio e diminui a sua capacidade de transformar o cálcio em matriz óssea. Existem outros fatores associados à osteoporose, como o sedentarismo, a alimentação, a falta de vitamina D (tomar pouco sol). Tudo isso colabora para a diminuição da densidade do osso”, diz Dr. Demétrio. 
O diagnóstico da osteoporose, segundo ele, é feito com um exame chamado densitometria óssea, mas a maioria das pessoas só procura o tratamento quando começa a ver as consequências da doença, que são as fraturas. “Por isso é recomendado que, quando a mulher entra no período da menopausa, logo procure um ortopedista para fazer uma investigação. Os ginecologistas, de maneira geral, costumam pedir esse exame e fazem o encaminhamento para o acompanhamento de um ortopedista”, afirma. 
Por fim, Dr. Demétrio fala da prevenção. “Existe o pré estágio da osteoporose, que é a osteopenia. Quando a gente começa a notar a diminuição da densidade do osso, já começa a tratar com medicamento. E você tem toda a prevenção com exercícios físicos, hábitos de vida saudáveis, fortalecimento muscular, tomando sol. Se você mantiver isso ao longo da vida, você consegue prevenir o surgimento da doença. Após atingir determinado grau de osteoporose, é difícil que o osso volte ao normal, mas o paciente pode melhorar bastante e prevenir as fraturas, que são as consequências mais graves da doença. Existem alimentos ricos em cálcio que também são boas ferramentas para o fortalecimento dos ossos e podem ser recomendados por um nutricionista”, finaliza.

Texto produzido em: 18/08/2016