A juventude eterna, como se sabe, é um mito bastante presente na literatura. Mas isso não impede que algumas pessoas tentem alcançá-la para além da ficção. Basta observar a grande demanda pelos métodos antienvelhecimento no mercado estético brasileiro, que vem se expandindo com o aumento da expectativa de vida no país e a própria valorização da estética no mundo moderno, que fazem inúmeras pessoas buscarem uma aparência cada vez mais jovem.  
Mas, para atingir esse objetivo, é preciso tomar uma série de cuidados, sobretudo em relação à pele, que é o elemento mais visível do processo de envelhecimento. A fim de abordar o tema, o Mania de Saúde ouviu a médica dermatologista Dra. Roberta Cesário, que ressaltou como os métodos preventivos são importantes para envelhecer de forma saudável e natural. 
“Antes de tudo, é importante ter em mente que o envelhecimento é um processo irreversível e, justamente por isso, deve ser encarado com bom senso. O propósito é, sempre, envelhecer bem. Não é não envelhecer. Até porque isso é impossível. Nesse contexto, é fundamental manter a pele sempre hidratada e protegida do sol, porque um dos maiores fatores de envelhecimento é a radiação ultravioleta. O protetor solar, portanto, é um grande agente antienvelhecimento, que pode ser usado desde a infância para evitar esses efeitos do sol”, disse Dra. Roberta. “A radiação ultravioleta, o excesso de consumo de álcool e o tabagismo são fatores que aceleram o trabalho do relógio biológico e provocam o envelhecimento precoce. Em muitos casos, só de evitá-los, o indivíduo já está realizando o antienvelhecimento”.
A prevenção, segundo Dra. Roberta, também envolve os procedimentos estéticos, que podem ser usados com esse objetivo. “Em vez de a paciente começar a fazer o uso de toxina botulínica aos 40 anos, por exemplo, ela pode iniciar o dermaroller aos 25. Trata-se de um processo de micropunturas, o chamado IPCA, que estimula as fibras colágenas, aumenta a sustentação da pele, melhora o viço, a elasticidade, a microcirculação e aí você vai retardar a utilização da toxina botulínica. Esse conceito da prevenção, de estar sempre estimulando o colágeno, permite chegar a resultados muito mais naturais e fisiológicos, que irão retardar um procedimento mais invasivo, porque você já está tratando esse envelhecimento na medida em que ele acontece”, ensinou.
Dra. Roberta revela as novidades que o mercado estético apresenta para esse público. “Os preenchimentos com ácido hialurônico são cada vez mais procurados. E, agora, surgem novas técnicas, como o MD Codes, que injeta produtos à base de ácido hialurônico em pontos previamente definidos no rosto, fazendo uma harmonização facial por meio de áreas codificadas. Existem ainda os chamados bioestimuladores, que são indutores de colágeno, cujos resultados também são bastante naturais, além dos lasers, que são propícios para essa época de menos calor, pois a pele fica mais sensibilizada e não pode se expor ao sol. Isso sem falar nos peelings, que são fundamentais para a renovação celular, o que evita câncer de pele, melhora rugas finas, clareia manchas, reunindo assim diversas funções, além de ser pré-requisito para vários outros procedimentos”, destacou a médica. 
Ela cita, por fim, um cuidado essencial nesse processo. “Hoje em dia há uma invasão muito grande de profissionais de outras áreas fazendo técnicas que são exclusivas de médicos. É importante que as pessoas, antes de saírem fazendo qualquer procedimento, busquem saber quem é aquele profissional, qual a sua capacitação e no que ele é especialista. Para fazer um determinado procedimento, ele tem que estar apto a tratar as possíveis complicações daquele procedimento. Se não está apto, não pode fazer. Diferente do médico, que tem conhecimento para tratar essas possíveis complicações e oferecer toda a segurança necessária ao paciente. Outro ponto importante é procurar o dermatologista para ele indicar o tratamento. Às vezes o paciente já vem querendo algum procedimento quando, na verdade, precisa de outro. É importante confiar no profissional para que ele conduza o caso. Isso possibilita resultados mais seguros e eficazes”.

Texto produzido em: 16/04/2019