O mês de outubro foi mais do que especial para os médicos campistas. Além do dia dedicado à classe (18), a cidade comemorou, também, os 50 anos da Faculdade de Medicina de Campos (FMC), a posse da Diretoria da Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia, além da homenagem à médica do ano, Dra. Ângela Maria Sarmet Moreira.
Nascida em Campos, em 02 de fevereiro de 1942, filha de Abílio José Moreira e Maria Ângela Sarmet Moreira, Dra. Ângela aprendeu a ler aos três anos de idade, em casa, com o pai. Aos quatro anos, já lia jornais. Fez o curso primário no Grupo Escolar da Usina São João e no Grupo Escolar Benta Pereira. Como terminou o primário com oito anos, teve de esperar mais três anos para ingressar no ginásio, sendo este realizado no Liceu de Humanidades de Campos. 
De 1961 a 1966, estudou na Faculdade Nacional de Medicina do Brasil, atual UFRJ. Logo depois de formada, fez o curso de Pós-Graduação em Pediatria e Puericultura, na PUC. Voltando a Campos, exerceu sua profissão de Pediatra na Santa Casa de Misericórdia, no Inamps, no Centro de Saúde de Campos e no Sesi. Foi, também, professora da Faculdade de Medicina de Campos.
A homenagem como médica do ano pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC) deixou Dra. Ângela lisonjeada e emocionada. “Estou muito honrada e feliz por essa homenagem, por este reconhecimento. Sempre exerci e exerço a medicina com amor, amor às crianças, principalmente as de origem mais humilde. Há mais de 50 anos me dedico de corpo e alma à profissão que decidi seguir por amor ao próximo. Só tenho a agradecer a todos por esta homenagem”, declarou a médica enquanto se dirigia para cerimônia que aconteceu no último dia 26, destacando os avanços da medicina nas últimas décadas. “A tecnologia transformou a medicina e mudou a relação entre médico e paciente, mas é sempre importante lembrar e destacar que nada substitui o contato humano”.
Vale lembrar que Dra. Ângela também atuou como atriz e participou do teatro amador com as seguintes peças: “A Arca dos Bichos”, “O Mágico de OZ”, “Branca de Neve”, “No Natal a gente vem te buscar”, entre outras, além de esbanjar seu talento, como poeta, no grupo “Boa Noite Amor”. Essa trajetória explica o trato humanista que sempre marcou a atuação de Dra. Ângela e lhe rendeu tão merecida homenagem.

Texto produzido em: 27/10/2017