Um procedimento tem feito a cabeça de mulheres e homens quando o assunto é cirurgia plástica: a lipoescultura, que envolve a tradicional lipoaspiração e a lipoenxertia. A lipoenxertia usa a gordura em excesso removida de alguma região do corpo através da lipoaspiração da própria paciente para “esculpir” o corpo, de modo a preencher, aumentar e modelar as estruturas flácidas, depressões ou áreas com pouco volume. O médico cirurgião plástico Dr. Luis Chrysantho Neves falou a reportagem do Mania de Saúde sobre o procedimento que tem conquistado cada vez mais pacientes.
“A lipoaspiração ainda é a cirurgia plástica mais procurada no Brasil, mas associada a ela temos a lipoescultura. Enquanto a lipoaspiração consiste na retirada do excesso de gordura em algumas regiões do corpo, a lipoescultura, ou lipoenxertia, é a utilização desta mesma gordura para dar volume e criar um melhor contorno corporal”, comenta o médico, explicando como é feita a reutilização da gordura retirada do próprio corpo do paciente. “A gordura coletada é decantada, o que resulta uma divisão em três partes: um óleo superficial, a gordura mais densa e o soro, que seria líquido do sangue e algumas proteínas que ficam depositadas mais no fundo do pote coletor. Após retirar o soro e o óleo, ficamos com o extrato da gordura para fazer o enxerto”.
A lipoescultura pode ser feita desde uma volumização do glúteo até o rejuvenescimento facial. “A lipoescultura, por exemplo, pode substituir o implante de silicone no glúteo. Em muitos casos, as pacientes chegam ao consultório com a ideia de colocar um implante de silicone no glúteo, mas, durante a consulta, explicamos o processo da lipoescultura, que fica mais natural que o implante e até mais harmônico. A lipoenxertia pode ser utilizada também para corrigir depressões de cirurgias mal realizadas, com resultado um pouco aquém do esperado e que deixou irregularidades; também pode ser aplicada para o rejuvenescimento facial, enxertando a gordura em regiões em que houve perdas por conta da idade; na cirurgia íntima feminina; na correção do contorno após cirurgia de reconstrução mamária; na recuperação de pacientes queimados; e até mesmo em questões pontuais de celulites. Então, são infinitas as possibilidades”, afirma Dr. Luis Chrysantho.
Em comparação com o implante de silicone no glúteo, a lipoescultura apresenta mais vantagens. “A recuperação da lipoenxertia é mais rápida e a agressão é menor, porque não há nenhum corpo estranho no organismo, o que diminui o risco de infecção e, também, de compressão nervosa. Mas é importante salientar que a cirurgia de lipoaspiração não é uma cirurgia para pacientes obesos, nem para emagrecimento. A lipoaspiração e a lipoescultura são cirurgias de contorno corporal para refinar algumas áreas. O paciente precisa ser bem estudado. É necessário examinar todas as suas patologias para indicar uma lipoaspiração segura e assim ter bons resultados com a lipoescultura se for o caso”, finaliza o cirurgião, destacando que o procedimento deve ser feito dentro dos protocolos de segurança seguidos por cirurgiões capacitados e credenciados junto à Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

Texto produzido em: 22/05/2018