Todos os anos, quando chego a Guarapari de férias ou a trabalho, não deixo de visitar meu amigo Ricardo Moulin, na Banca da Lua, o melhor local de estímulo à leitura na cidade. Conheço Ricardo há muito tempo, mas ele só descobriu que eu trabalhava no jornal poucos anos atrás, quando, num dia qualquer de verão, apareci uniformizado em sua banca de livros. Achei até que ele fosse estranhar a indumentária, mas, na verdade, já a conhecia há muito tempo. Tanto que brincou: “agora estou vendo dois amigos”, disse, referindo-se a mim e ao Mania de Saúde.
É nesta frase proferida por Ricardo que reside o espírito dos moradores de Guarapari e dos turistas fluminenses quando encontram nossa equipe por lá, todos os anos, durante o verão. 
Nesses momentos, vejo como é uma experiência distinta trabalhar em um veículo tão querido pelo público e que se tornou, ao longo das últimas décadas, extremamente popular (sem ser populista), sob a batuta de Sylvio Muniz (in memoriam) e, agora, de Andréa Muniz. Ambos foram lembrados, de forma calorosa, por muitos leitores em Guarapari.
Tal experiência proporciona, a toda nossa equipe, uma relação muito próxima com o público, pois nem todo veículo (sobretudo no interior) consegue ter uma intimidade tão acentuada com os leitores, a ponto deles tratarem o jornal como um velho conhecido, uma pessoa de carne e osso.
Por isso a surpresa que tive ao encontrar a Sra. Penha Luciano, funcionária da banca na Praça Governador Bley, no centro de Guarapari. Simpática, ela me disse que recebe, quase todo dia, um grande número de leitores de Campos e Itaperuna perguntando pelo Mania de Saúde, mal chega o verão.
Exemplos como esses são muito gratificantes, é claro, mas também nos inspiram a trabalhar mais e melhor, posto que aumentam a nossa responsabilidade para com o público. 
Em um cenário onde as pessoas estão sempre grudadas aos smartphones, em um país que respira fake news e onde o Facebook parece dominar a atenção das pessoas (e até das crianças), é estimulante ver um veículo impresso distribuído gratuitamente sendo tão lido por pessoas de todas as tribos e idades.
Que a nossa gratidão transpareça, novamente, no trabalho realizado nas páginas seguintes e nas próximas edições!

Texto produzido em: 27/01/2018