O futevôlei está deixando de ser um esporte sazonal de verão para ganhar as academias como modalidade para melhorar o condicionamento físico. O esporte, praticado nas praias do Rio de Janeiro desde a década de 1960, até pouco tempo era procurado muito mais pelos amantes do tradicional futebol ou por quem já fazia algum tipo de atividade com a bola. Hoje, o futevôlei virou também um forte aliado no controle do peso corporal. Sob o comando do professor de educação física e personal trainer José Douglas, mulheres e homens – mais elas do que eles – treinam nas areias de uma academia de Campos.
 “Estão olhando para o futevôlei de outra forma. Se antes era um esporte de final de semana, de boleiros, hoje é uma modalidade que ganhou espaços no mercado fitness, tanto que a maioria das minhas aulas é de mulheres que buscam atividade física para ter melhor condicionamento e que proporcione um grande gasto calórico”, disse.
Por ser uma modalidade dinâmica e que trabalha várias questões físicas, como força, equilíbrio, resistência e outras, o futevôlei tem feito a cabeça dos adeptos do estilo de vida fitness. “As meninas, por exemplo, praticam musculação e outras modalidades, mas estão procurando o futevôlei para fazer o exercício aeróbico em vez de ficarem na esteira ou na bicicleta ergométrica. Em uma hora, dependendo da intensidade e do aluno, dá para gastar cerca de 700 calorias”.
A reportagem do Mania de Saúde acompanhou uma aula do professor José Douglas e viu de perto que a modalidade tem mesmo feito mulheres e homens suarem a camisa. Entre saltos e toques na bola, seja com os pés, as pernas e a cabeça, os alunos comentam o quanto se surpreenderam com o futevôlei. “Muita gente pensa que é um esporte para homens e que gostam de futebol, mas desde que comecei a praticar e a fazer as aulas vi que não tem nada disso. Estou aprimorando a parte técnica, que não é fácil para quem nunca jogou futebol, mas vi que a parte física vale a pena”, conta Laila.

Texto produzido em: 05/03/2018