O Dia do Médico não é apenas uma data comemorativa. É também um momento muito propício para reafirmar os valores da profissão e repensar a prática médica de forma mais ampla, a fim de garantir, à população, uma medicina cada vez mais humanizada. Nesse sentido, nada melhor do que ouvir quem tem dado exemplo nessa área, como é o caso do curso de Medicina do Centro Universitário Redentor, cujos professores e acadêmicos têm transformado, para melhor, a saúde de Itaperuna e região.
Basta, por exemplo, observar o dia a dia dos bairros onde a UniRedentor está presente com seus alunos, ofertando todo o apoio e cuidado a pessoas das mais diferentes idades, que agora conseguem agir de forma preventiva, promovendo saúde e bem-estar para todos.
A médica ginecologista Dra. Renata Gontijo, Coordenadora do curso de Medicina da UniRedentor, explica como a consolidação desse trabalho tem mudado o cotidiano da cidade. “Nossa meta é formar médicos de pessoas. Nosso curso se estrutura desde o seu início até a residência de forma a aproximar o médico das comunidades, dos locais potencialmente capazes de produzir adoecimento e, assim, prevenir esses problemas antes que aconteçam. A inclusão dos alunos nos cenários de atenção básica tem procurado levar saúde às pessoas. Nossos ambulatórios no CACI também funcionam como referência para os casos atendidos na unidade básica que precisam de especialista. Todos esses ambulatórios são gratuitos e abertos à população, o que tem mudado profundamente a realidade de Itaperuna”, destacou.
Para isso, conforme lembra Dra. Renata, há todo um projeto pedagógico bastante sólido para os alunos, que contam com professores extremamente capacitados e que trabalham esse olhar mais abrangente para a atenção básica. “Nossos alunos crescem a cada dia como pessoas e profissionais. Se no início eles adquiriram muitos conhecimentos sobre o indivíduo e os processos de saúde e doença, hoje, já no ciclo clínico, as teorias e as práticas se intensificam, ocasionando um aprofundamento do ‘aprender a fazer’. O desenvolvimento dessas competências é fundamental para o Internato, que já é para nós, gestores, uma realidade, através do planejamento das ações operacionais, seja a respeito de corpo docente, cenários e práticas ou de recursos materiais, que vão garantir essa formação de qualidade”.
A coordenadora comenta também a chegada do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade (PRMFC), que simboliza toda a semente plantada pelo curso de Medicina ao focar a atenção básica em seu projeto pedagógico. “A residência promovida pela UniRedentor contribui na formação de médicos especialistas em Saúde da Família, trazendo novos atores para atuarem na comunidade local. Almeja-se, com isso, a fixação destes profissionais em nosso município e que eles atuem, também, como preceptores na formação de nossos futuros médicos, expandindo o olhar humanizado que tanto pregamos”, disse.
Com isso, o curso de Medicina se fortalece cada vez mais, conforme acrescenta a coordenadora. “Nossos planos estão se tornando realidade. Estamos cada dia mais próximos de formar nossa primeira turma. O curso vem sendo aprimorado a cada semestre, sempre em busca da excelência. Este é nosso ideal: formar médicos com um olhar ampliado para a saúde e que farão diferença na sociedade”, comenta ela, deixando uma mensagem final para a classe. “Parabenizo a todos os colegas que dedicam a vida a cuidar de outras vidas. Que saibamos curar, quando possível; aliviar, quase sempre, e consolar, todos os dias”, finalizou. 

Texto produzido em: 18/09/2018