O tempo, por vezes, acaba por separar pessoas, amigos e destinos. E somente com muita boa vontade, amor e companheirismo que amizades são mantidas por longas datas, algumas desde a infância, outras no tempo da escola ou da faculdade. Depois de mais de dez anos de formados, alunos da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) marcaram um reencontro em grande estilo, em um final de semana em Búzios. 
Apesar do contato virtual que mantém o grupo de cinco amigos em sintonia, o encontro marcou a força da amizade que eles trazem desde o tempo em que dividiam a mesma sala de aula. Agora, ao lado dos cônjuges e alguns filhos, Aline Dias, Najla Carvalho, Priscila Lucas, Fabíola Campos e Carlos Diego dividiram histórias atuais e, claro, relembraram o que viveram na universidade.
“A gente acaba se esbarrando esporadicamente com um ou outro na rua, em algum evento pela cidade ou em uma festa de aniversário de algum conhecido em comum, mas acaba passando e fica a saudade daquele tempo em que convivíamos diariamente. Decidimos fazer esse reencontro simbólico, em um final de semana só nosso, para que revivêssemos os velhos tempos, colocássemos o papo em dia. É muito gratificante reencontrar amigos que fizeram parte da nossa história lá atrás e saber que, apesar do tempo, quase nada mudou”, conta Aline.
Da época em que estudavam para as provas de Cálculo-1 ou que passavam tardes, noites e até madrugadas revisando fórmulas e mais fórmulas, eles, hoje, relembram com alegria e saudosismo. Os causos ficaram na memória, e são muitos. Cada um faz questão de lembrar algum momento que carrega na lembrança até hoje.
“Vivemos muitas coisas no tempo de universidade. Estudamos, nos divertimos, brigamos, choramos, mas o final é isso que estamos revivendo agora, a amizade. Isso ficou além do tempo, além dos destinos que cada um tomou. É muito bom olhar para o passado e olhar para o presente ao mesmo tempo, e perceber que o tempo foi apenas um detalhe. Tivemos muitos colegas, mas amigos são poucos e serão para a vida toda”, afirma Carlos Diego, destacando a integração também dos cônjuges. “Os maridos das meninas acabaram virando meus amigos também e minha esposa também se deu super bem com elas”
Formados em engenharia civil, os amigos tomaram rumos diferentes na profissão logo depois de pegarem o diploma. Cada um foi para um canto. Hoje, apesar de a maioria residir em Campos, outros moram fora da cidade e até mesmo em outro Estado. Nada que impeça o convívio ou, pelo menos, que amenize a distância e a saudade.
“Criamos um grupo no Whatsapp, chamado de Uenfianos, em que estamos sempre nos atualizando do que está acontecendo com cada um. Agora estamos vivendo a expectativa de descobrir o sexo de dois bebês das grávidas do grupo. A promessa agora é de nos encontrarmos mais vezes, mas já estamos planejando outros encontros como esse que tivemos em Búzios”.

Texto produzido em: 18/05/2018