A maior frustração que uma pessoa pode ter, ao concluir uma graduação, é não vislumbrar boas oportunidades no mercado de trabalho. Isso, como se sabe, possui um vínculo direto com a qualidade do ensino obtido pelo aluno na faculdade e a forma como ela o preparou para a prática profissional. Muitas instituições não conseguem se gabar desse feito. Outras, sim. Na nossa região, um caso bastante significativo é o da Faculdade Redentor, que a cada ano assiste seus alunos obtendo sucesso nas áreas em que atuam, a despeito da situação econômica do país.
Douglas Costa, que cursou engenharia mecânica na Redentor, encarna um desses exemplos. “Estou há quatro anos em Macaé, onde atuo como engenheiro numa multinacional. Já passei por outra empresa, exercendo as mesmas funções. Ter optado por esta profissão foi muito importante para mim. No primeiro emprego como engenheiro, tive de me adaptar à rotina da empresa, mas a formação que tive me deu bastante segurança para desempenhar os projetos. Engenharia exige muita dedicação, muito estudo e isso ficou claro na faculdade. O esforço do aluno também é fundamental. Depende bastante dele também”, conta Douglas, que não descuidou do inglês, o que também o ajudou a se destacar no mercado. “Já representei a firma em diversas reuniões internacionais. Já passei por Argentina, Holanda, Grécia, Noruega e Colômbia”.
Uma boa formação acadêmica será cobrada em todos os estágios do mercado, devido à evolução das carreiras. É o que diz Sérgio Dal Sasso, empresário, escritor consultor e palestrante empresarial em temas relacionados com administração de empresas, empreendedorismo, liderança, negócios, vendas e carreiras. A aposta da Redentor em “formar amigos e profissionais”, alcançando continuamente as melhores notas nas avaliações educacionais dos cursos e vendo seu nome se destacar em todo o país, coaduna com o pensamento de Sérgio e com o desejo do próprio mercado, que está cada vez mais exigente na contratação de profissionais bem formados e devidamente capacitados para exercer suas funções. Quem não quer fazer parte desse público?

 

Texto produzido em: 20/02/2016