A época de volta às aulas é sempre motivo de animação para algumas crianças ou de ansiedade para outras. Afinal, esse é um período em que boa parte do público infantil chega a um novo colégio, o que traz inúmeras mudanças na rotina dos pequenos. É nessas horas que a atenção com a saúde deve ser redobrada, a fim de que a criança possa se adaptar mais facilmente à rotina da escola e, consequentemente, obter um melhor aproveitamento nos estudos.
É o que afirma, ao Mania de Saúde, a médica pediatra Dra. Ellem Ramos, formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, com Título de Especialista em Pediatria (TEP) pela Sociedade Brasileira de Pediatria, especialização em Medicina Intensiva Pediátrica e Neonatal, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB). “A volta às aulas é um período de muitas novidades para as crianças. O início da vida escolar, uma nova turma ou uma nova escola são mudanças que mexem com a rotina de toda a família. Uma grande preocupação dos pais, nesse período, é que os filhos costumam ficar mais doentes. Isso realmente ocorre. Muitos deles se perguntam porque as crianças adoecem tanto nos primeiros anos de vida. Um dos fatores mais importantes é que elas entram na escola cada vez mais cedo. E, nessa fase, os anticorpos ainda estão em formação. O sistema imunológico ainda é imaturo. Há mais contato com outras crianças e, consequentemente, a vírus e bactérias. É preciso, então, tomar alguns cuidados para garantir uma melhor qualidade de vida para os pequenos”, disse Dra. Ellem.
Segundo ela, esse período é marcado, também, pelo comportamento das crianças nas férias, com hábitos que costumam influenciar diretamente na saúde. “No verão, as crianças frequentam mais praias e piscinas, o que aumenta os casos de infecção no ouvido, as chamadas otites, enquanto o uso intenso de ar-condicionado e ventiladores também favorece os quadros respiratórios. Viajar nas férias faz com que as crianças se alimentem em lugares diferentes, podendo causar muitas vezes infecções intestinais, as chamadas gastroenterites ou viroses. Além disso, muitas escolas tendem a fazer reformas ou pintura no período de férias. Então, quando as crianças voltam às aulas, estão mais expostas à poeira e produtos químicos, como a própria tinta, por exemplo. A parte respiratória pode ser prejudicada, exigindo maior atenção com a criança”.
Parece difícil, nesse contexto, diminuir os episódios de doenças no período de volta às aulas. Mas Dra. Ellem mostra como os pais podem se prevenir. “É importante manter a caderneta de vacinação em dia, independentemente da idade. Temos vacinas para prevenir Hepatite A, varicela ou catapora, gripe, pneumonia e até as infecções de ouvido mais graves. A amamentação também é muito importante, pois o leite materno é um dos principais responsáveis pelo fortalecimento do sistema imunológico infantil. Uma alimentação adequada, prática de atividade física, hábitos de higiene, lavagem das mãos, higienização de alimentos, objetos e brinquedos também são essenciais para reforçar a saúde da criança”, afirma a pediatra, lembrando o que os pais podem fazer caso o filho adoeça. “O ideal é que ele fique afastado da escola até se recuperar completamente, pois estará com a imunidade ainda mais baixa e ficará suscetível a novas infecções. A recuperação da criança será mais lenta, além de poder transmitir para os coleguinhas”, conclui Dra. Ellem, ressaltando que o acompanhamento regular com o pediatra auxilia, e muito, o trabalho preventivo com as crianças.

Outros cuidados com a saúde da criança 
e com o rendimento escolar

 • Os pais devem ter cuidado com o tamanho e o excesso de peso nas mochilas, para evitar dores e deformidades na coluna. O recomendado é que o produto não ultrapasse 10% do peso da criança. Se uma criança pesa 30 kg, por exemplo, o peso que ela vai carregar não pode passar de 3 kg. As mochilas de costas devem ter o menor peso possível e não se deve utilizar aquelas mochilas com alça em um ombro só. 
• Deve-se preferir e incentivar a criança a levar o seu lanche ou consumir um lanche mais saudável na escola. Papais e mamães devem ter sempre cuidado ao montar a lancheira do filho. Procurem evitar alimentos industrializados, sucos artificiais e refrigerantes. Optem por incluir sempre 1 líquido (água, suco natural ou água de coco), 1 fruta, 1 proteína (queijo, requeijão, iogurte, ovo de codorna por exemplo) e 1 carboidrato, dando preferência a pães, bolos e biscoitos caseiros e não os industrializados. 
• A avaliação do oftalmologista é muito importante. Só no Brasil, temos em torno de 15 milhões de crianças em idade escolar com distúrbios de visão, que são chamados erros de refração. É preciso também ter o cuidado de usar repelente e filtro solar ao levar o filho à escola (maiores de 6 meses), pois há muitas doenças causadas por mosquitos que podem ser evitadas, como dengue, zika, chikungunya e febre amarela. 
• É preciso ter atenção à segurança no trajeto de ida e volta para a escola, utilizando cadeirinhas. Caso a criança precise usar algum medicamento, os professores e a direção devem ser informados e orientados para respeitar os horários de administração do remédio.  
• É importante que a criança tenha um bom sono, pois isso influencia o desempenho intelectual. O sono deve ter duração e qualidade adequada. A rotina é fundamental. Criança tem que ter hora para acordar, dormir, comer, brincar, realizar tarefas e para estudar. Incentivar o filho a ser organizado faz com que ele tenha um bom desempenho. Disponibilizar um cantinho para os estudos em casa é importante para que a criança consiga se concentrar mais facilmente. A parceria da família com a escola também é fundamental. Os pais devem educar as crianças junto com os professores, em um processo integrado e articulado.

 

 

Texto produzido em: 15/02/2019