Conviver com alergia alimentar não é fácil. Mas, nos últimos tempos, foi ficando menos difícil. Como o número de pessoas com algum tipo de alergia ou intolerância vem aumentando a cada ano, as empresas estão se atentando para isto e lançando produtos específicos para este público a todo momento. Alguns supermercados, inclusive, estão separando setores especiais para estes produtos. De qualquer forma, é preciso ficar atento ao que diz o rótulo. Nossa reportagem entrevistou a médica alergista Dra. Grazielle Petrucci, do Centro Avançado de Alergia e Imunologia, que falou ainda sobre a diferença entre alergia e intolerância. Confira. 
Mania de Saúde – Atualmente há uma consciência maior no diz respeito à alergia alimentar?
Dra. Grazielle Petrucci –
A alergia alimentar está crescendo e as pessoas estão ficando mais conscientes. Um exemplo é o programa ‘De olho no rótulo’, que a Sociedade de Alergia conseguiu implantar, exigindo da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que os produtos informem em suas embalagens o que de fato tem naquele produto. Por exemplo, muitas vezes a pessoa tem alergia ao leite, porém não apenas no que diz respeito à ingestão, mas também a hidratantes, shampoos que contenham leite em sua formulação. Tudo isso hoje deve estar especificado nos rótulos. Não se sabe ainda se é por estarmos em contato com mais produtos ou se é por estar sendo mais diagnosticada, mas o fato é que a alergia vem aumentando. Acredito que há uma série de fatores que contribuem para isso, mas um deles, sem dúvida, é a alimentação irregular e mais artificial que temos atualmente. 
Mania de Saúde – Muitas pessoas ainda confundem alergia ao leite com intolerância à lactose. Qual é a diferença?
Dra. Grazielle Petrucci –
São duas coisas completamente diferentes. Quando eu suspeito de alergia, ela se refere às proteínas do leite de vaca, a alfa-lactoalbumina, beta-lactoglobulina e a caseína. A pessoa não pode ingerir nada que tenha leite ou que tenha sido contaminada com traços de leite. E quando ela tem uma crise alérgica, são sintomas generalizados; a parte digestiva é atingida com cólicas, dores, diarreia, flatulência, fezes com sangue; a parte respiratória e a pele também são afetadas. 
Quando a pessoa tem intolerância a algum alimento, como no caso do leite, não é ao leite que ela é intolerante, mas sim à lactose, que é o açúcar do leite. É uma deficiência do organismo de uma enzima chamada lactase, que ajuda na digestão do leite. Ou ela está diminuída ou não existe. Então, a pessoa não consegue digerir este alimento e, neste caso, os sintomas são todos na parte digestiva. Por isso hoje temos muitos alimentos com 0% lactose, justamente para estas pessoas com intolerância à lactose. Se você olhar no rótulo, ele tem todas as proteínas do leite, mas também tem a enzima lactase, que vai auxiliar na digestão. Existem ainda cápsulas desta enzima para serem ingeridas em ocasiões especiais, como uma festa, por exemplo, para que a pessoa não se prive de comer nada naquele momento. 

Texto produzido em 20/03/2019