Do surgimento dos primeiros dentinhos até a troca pelos dentes permanentes é muito comum os pais se questionarem se está tudo bem, se o desenvolvimento está dentro da normalidade ou se estão cuidando direito da saúde bucal dos filhos. O ideal é que a criança seja acompanhada desde bebê pelo odontopediatra e com seis anos faça a primeira visita ao ortodontista para averiguar más-oclusões e a necessidade de usar aparelho.
“A idade ideal para esta consulta de avaliação da face e dos dentes é aos seis anos, pois, se a posição dos dentes de leite for corrigida nesta época, acontecerá o correto posicionamento dos dentes permanentes, assim como o crescimento harmônico da face da criança. Alguns pais desconhecem que a primeira dentição serve de guia para os dentes definitivos. Em média, aos seis anos, a criança inicia o processo de troca, onde é de suma importância o exame clínico e radiográfico para identificar ausências dentárias, irregularidades na formação dos dentes e no crescimento dos ossos da face”, comenta a ortodontista Dra. Ludymila Baptista.
A razão pela qual recomenda-se a visita por volta dos seis anos é que, nessa fase, se pode identificar problemas de crescimento facial, como alterações na maxila ou na mandíbula, presença de hábitos deletérios, como sucção de dedo ou de chupeta, alterações na musculatura facial e também se avalia a presença de problemas de espaço para os dentes permanentes. O exame nessa fase possibilita um tratamento interceptativo, porque se tira vantagem do crescimento da criança e com isso se previne problemas mais sérios de desenvolvimento.
“São vários os problemas ortodônticos nesta fase da vida, como a falta de espaço entre os dentes, dentes tortos, mordida cruzada anterior (quando os dentes de baixo ficam na frente dos de cima), mordida cruzada posterior ou a mordida aberta anterior, que é quando os dentes da frente não se tocam e pode ser resultado de hábitos como chupar dedo, chupeta, deglutição alterada e a posição da língua”, afirma Dra. Ludymila, destacando a importância dos cuidados ainda na infância. “Se esses problemas não forem diagnosticados e tratados por um ortodontista podem comprometer a estética, a fala, a mastigação e a respiração da criança”.
Outra questão que tira o sono dos pais na infância, relacionada à saúde bucal dos filhos, é o período de troca dos dentes de leite pelos dentes permanentes. “A perda precoce do dente de leite ou a retenção prolongada desses dentes indicam algum tipo de problema ortodôntico. Então os pais precisam ficar atentos neste período que, normalmente, vai dos seis aos 12 anos de idade”.

Texto produzido em: 14/06/2018