A velocidade frenética do século XXI tem trazido muitos benefícios, como o acesso rápido à informação, mas também tem provocado um nível de ansiedade dos mais alarmantes. Quem parece estar sofrendo mais com isso são os jovens, principalmente em período de final de ensino médio, onde a pressão pela aprovação no vestibular tem sido cada vez mais intensa. Os pais, no entanto, precisam estar cientes de que somos seres individuais com demandas, necessidades próprias e cada um tem o seu próprio tempo. 
Por isso tem sido comum os jovens terminarem o ensino médio e fazerem mais um ano de pré-vestibular. Nossa reportagem foi até o Colégio Centro de Estudos - Sistema PH de Ensino e conversou com a coordenadora do Ensino Médio, Maria de Fátima Costa Dias, que avalia este cenário. “Talvez até por uma questão cultural, os pais muitas vezes ficam ansiosos para que os filhos passem no vestibular logo no terceiro ano. No entanto, cada um tem o seu tempo e pode ocorrer do jovem ficar frustrado porque não passou e o colega sim. Ou então escolhe uma área para prestar vestibular e depois muda de ideia. Nós temos alunos que fizeram quatro períodos de engenharia e resolveram ir para medicina. Essa pressa pode acarretar nesse resultado de insatisfação. O importante não é a velocidade e sim a qualidade e os próprios jovens têm percebido isso. O Ensino Médio tem a sua programação e, normalmente, as escolas colocam no primeiro e segundo ano todo o conteúdo do ensino médio e o terceiro ano faz uma espécie de revisão com aprofundamento. O pré-vestibular vem para fechar essas informações recebidas e tem alunos que precisam de um ano ou dois para amadurecer todo esse conteúdo e as suas escolhas com relação à carreira”, afirma a coordenadora. 
Maria de Fátima nos conta ainda que o Colégio Centro de Estudos adotou um novo método para o pré-vestibular. “Este ano o nosso pré está diferente. Em Campos, temos muitos vestibulares das faculdades particulares no meio do ano e isso estava causando uma frequência muito irregular no pré-vestibular, porque o conteúdo era programado para o ano inteiro e, quando chegava em julho, havia uma evasão grande. Em 2018 estamos fazendo por módulo, onde temos um pré que vai até 31 de julho, atendendo esses vestibulares de meio de ano. Todos os professores são extremamente capacitados e dedicados e fazem uma bateria de exercícios voltados para isso. Em agosto, a gente recomeça com outro módulo, voltado para o ENEM. A turma deste ano está muito focada e interessada. Temos feito simulados aos domingos para UERJ, ENEM e eles têm comparecido em peso. Os professores estão muito felizes com esse modelo e os resultados são promissores. Ano de vestibular é quase de dedicação exclusiva. Quem não faz isso dificilmente consegue bons resultados”.

Texto produzido em: 18/04/2018